Quantos estão lendo agora...

Lendo e ouvindo...

segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Poema da máquina de escrever GIUSEPPE GHIARONI


Mãe, se eu morrer de um repentino mal,
vende meus bens a bem dos meus credores:
a fantasia de festivas cores
que usei no derradeiro Carnaval.
Vende esse rádio que ganhei de prêmio
por um concurso num jornal do povo,
e aquele terno novo, ou quase novo,
com poucas manchas de café boêmio.
Vende também meus óculos antigos
que me davam uns ares inocentes.
Já não precisarei de duas lentes
para enxergar os corações amigos.
Vende, além das gravatas,
do chapéu, meus sapatos rangentes.
Sem ruído é mais provável que eu alcance o Céu
e logre penetrar despercebido.
Vende meu dente de ouro.
O Paraíso requer apenas a expressão do olhar.
Já não precisarei do meu sorriso
para um outro sorriso me enganar.
Vende meus olhos a um brechó qualquer
que os guarde numa loja poeirenta,
reluzindo na sombra pardacenta,
refletindo um semblante de mulher.
Vende tudo, ao findar a minha sorte,
libertando minha alma pensativa
para ninguém chorar a minha morte
sem realmente desejar que eu viva.
Pode vender meu próprio leito
e roupa para pagar àqueles a quem devo.
Sim, vende tudo, minha mãe,
mas poupa esta caduca máquina em que escrevo.
Mas poupa a minha amiga de horas mortas,
de teclas bambas, tique-taque incerto.
De ano em ano, manda-a ao conserto
e unta de azeite as suas peças tortas.
Vende todas as grandes pequenezas
que eram meu humílimo tesouro, mas não!
ainda que ofereçam ouro,
não venda o meu filtro de tristezas!
Quanta vez esta máquina afugenta
meus fantasmas da dúvida e do mal,
ela que é minha rude ferramenta,
o meu doce instrumento musical...
Bate rangendo, numa espécie de asma,
mas cada vez que bate é um grão de trigo.
Quando eu morrer, quem a levar consigo
há de levar consigo o meu fantasma.
Pois será para ela uma tortura sentir
nas bambas teclas solitárias
um bando de dez unhas usurárias
a datilografar uma fatura.
Deixa-a morrer também quando eu morrer;
deixa-a calar numa quietude extrema,
à espera do meu último poema
que as palavras não dão para fazer.
Conserva-a, minha mãe, no velho lar,
conservando os meus íntimos instantes,
e, nas noites de lua, não te espantes
quando as teclas baterem devagar.
Fonte da imagem: Internet

domingo, 30 de janeiro de 2011

O que faz um abraço?



Já se comprovou que todos necessitamos de contato físico para nos sentirmos bem, e uma das formas mais importantes de contato físico é o abraço.
Quando nos tocamos e nos abraçamos, levamos vida aos nossos sentidos e reafirmamos a confiança nos nossos próprios sentimentos. Algumas vezes NÃO encontramos as palavras adequadas para expressar o que sentimos; o abraço é a melhor maneira.
Há vezes que não nos atrevemos a dizer o que sentimos, seja por timidez ou porque os sentimentos nos avassalam;nesses casos pode-se contar com o idioma dos abraços.
Os abraços, além de nos fazerem sentir bem, empregam-se para aliviar a dor,a depressão e a ansiedade.
Provocam alterações fisiológicas positivas em quem toca e em quem é tocado.
Aumenta a vontade de viver aos enfermos.
É importante saber que:
Os abraços são necessários para o desenvolvimento,para manter-se são e para crescer como pessoa.
O que nos dá um abraço?
PROTEÇÃO
O sentir-se protegido é importante para todos, mas é o mais para as crianças e mais velhos,que frequentemente dependem do amor de quem os rodeia.
SEGURANÇA
Todos necessitamos de nos sentirmos seguros. Se não o conseguimos, atuamos de forma ineficaz e as nossas relações interpessoais declinam.
CONFIANÇA
A confiança faz-nos avançar quando o medo se impõe ao nosso desejo de participar com entusiasmo em algum desafio da vida.
FORÇA
Quando transferimos a nossa energia com um abraço, as nossas próprias forças aumentam.
AUTO - VALORIZAÇÃO
Através do abraço podemos transmitir uma mensagem de reconhecimento do valor e excelência de cada indivíduo.
UM ABRAÇO
Faz e Diz Muitíssimo;
abraça o teu amigo,
abraça os teus entes queridos,
abraça as tuas crianças,
abraça o teu animal de estimação…
ABRAÇA-OS A TODOS!
Fonte da imagem: clubesdv.com

sábado, 29 de janeiro de 2011

Falamansa


Ontem à noite,percorrendo os canais da TV, deparei-me com o show do grupo Falamansa e resolvi deixar aqui a letra de uma das músicas para vocês.
Você que tem medo de chuva
Você não é nem de papel
Muito menos feito de açúcar
Ou algo parecido com mel
Experimente tomar banho de chuva
E conhecer a energia do céu
A energia dessa água sagrada
Que nos abençoa da cabeça aos pés
Oh! chuva
Eu peço que caia devagar
Só molhe esse povo de alegria
Para nunca mais chorar.
Tem dias que a gente acorda com medo do escuro
Tem dias que a gente dorme sente-se inseguro
Então quando a gente acorda e acende a luz pra ver
Percebo que já tenho tudo e falta você
A cor do mar
O céu azul o vento lá sopra pro sul
E a cor da areia se confunde
Com seu corpo nu
Oh! chuva
Eu peço que caia devagar
Só molhe esse povo de alegria
Para nunca mais chorar.
Fonte da imagem:joesio.blogspot.com

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

CAMARÃO +VITAMINA C = VENENO FATAL


*COMO PRODUZIR ARSÊNICO NATURALMENTE ...*
Em Taiwan, uma mulher morreu de repente com sinais de hemorragia em seus ouvidos, nariz, boca e olhos. Depois de uma autópsia preliminar, foi diagnosticado como "causa mortis" envenenamento por arsênico. Mas qual foi a origem do arsênico?
A polícia, então, iniciou uma profunda e extensa investigação. Um professor de medicina foi convidado para ajudar a resolver o caso.
O professor cuidadosamente examinou os restos existentes no estômago da vítima, e, em menos de meia hora, o mistério foi elucidado. O professor disse: "O óbito não se deu por suicídio, nem por assassinato, a vítima morreu acidentalmente por ignorância!"
"O arsênico foi produzido no estômago da vítima". A vítima tomava Vitamina C todos os dias, que por si só não é nenhum problema. O problema é que ela comeu uma quantidade grande de camarão no jantar. Entretanto, na mesma ocasião, a vítima também tomou Vitamina C e é aí onde reside o problema.
Pesquisadores da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, descobriram através de experiências, que alimentos, como camarão "casca mole" contem alta concentração de compostos de 5-potássio-arsênico.
Tais alimentos frescos, por si só, não são tóxicos para o corpo humano!
Entretanto, ao ingerir a Vitamina C, devido a uma reação química, o inicialmente não tóxico 5-potássio-arsênico (como anidrido também conhecido como óxido arsênico, As2 O5) se converte no tóxico 3-potássio-arsénico (ADB anidrido arsênico), também conhecido como trióxido de arsênio (As2 O3), que é popularmente conhecido como arsênico !
Dessa forma, como medida de precaução, NÃO coma camarão quando ingerir Vitamina C.
Fonte da imagem:josecardosodearaujosobrinho.blogspot.com

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

QUÃO ESPERTO É SEU PÉ DIREITO?



Tente, só leva 2 segundos. Nem pude acreditar! Isto confundirá sua mente e vai fazê-lo tentar outra e outra vez para ver se pode ensinar seu pé, mas, voce não pode. Isto está pré-programado em seu cérebro!
1. Sentado numa cadeira em frente ao seu computador, erga seu pé direito do chão e gire-o em círculos no sentido horário.
2. Agora, enquanto faz esse movimento, desenhe o número '6' no ar com sua mão direita. Seu pé mudará de direção.
Eu avisei! E não há nada que possa fazer sobre isso! Voce e eu sabemos como isso é louco, mas antes que o dia acabe tentará outra vez, se ainda não o fez.
Envie aos seus amigos.
Isso é científico! Se você duvida, pesquise então!
Fonte da imagem: filhodebarbeiro.blogspot.com

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Talismã (Michael Sullivan)



Sabe
Quanto tempo não te vejo
Cada vez você distante
Mas eu gosto de você
Porque
Sabe
Eu pensei que fosse fácil
Esquecer seu jeito frágil
De se dar sem receber
Só você
Só você que me ilumina
Meu pequeno talismã
Como é doce essa rotina
De te amar toda manhã
Nos momentos mais difíceis
Você é o meu divã
Nosso amor não tem segredos
Sabe tudo de nós dois
E joga fora nossos medos
Vai saudade diz pra ela
Diz pra ela aparecer
Vai saudade vê se troca
A minha solidão por ela
Pra valer o meu viver
Só você que me ilumina
Meu pequeno talismã
Como é doce essa rotina
De te amar toda manhã
Nos momentos mais difíceis
Você é o meu divã
Nosso amor não tem segredos
Sabe tudo de nós dois
E joga fora nossos medos
Vai saudade diz pra ela
Diz pra ela aparecer
Vai saudade vê se troca
A minha solidão por ela
Pra valer o meu viver.

Fonte da imagem:injusticanao.blogspot.com

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

Eternidade...



O que eu tenho não me pertence, embora faça parte de mim...
Tudo o que sou me foi um dia emprestado pelo Criador para que eu possa dividir com aqueles que entram na minha vida.
Ninguém cruza nossos caminhos por acaso e nós não entramos na vida de alguém sem nenhuma razão.
Há muito o que dar e o que receber; há muito o que APRENDER com experiências BOAS ou NEGATIVAS
É isso... Tente ver as coisas negativas que acontecem com você como algo que aconteceu por uma razão precisa.
E não se lamente pelo ocorrido;
Além de não servir de nada reclamar, isto vai te vendar os olhos para continuar seu caminho
Quando não conseguimos tirar da cabeça que alguém nos feriu, estamos somente reavivando a ferida, tornando-a muitas vezes bem maior do que era no início e transformando-a em mágoa.
Nem sempre as pessoas nos ferem voluntariamente. Muitas vezes somos nós que nos sentimos feridos e a pessoa nem mesmo percebeu.
E nos sentimos decepcionados porque aquela pessoa não correspondeu às nossas expectativas!!!
E sabemos lá quais eram as suas expectativas?
E nos decepcionamos e decepcionamos.
Mas, claro, é bem mais fácil pensar nas coisas que nos atingem. Quando alguém te disser que te magoou sem intenção, acredite nela!
Vai te fazer bem! Assim, talvez, ela poderá entender quando você, sinceramente disser que
“foi sem querer”.Dê de você mesmo o quanto puder!Sabe, quando você se for, a única coisa que vai deixar é a lembrança do que fez aqui.
SEJA BOM (como as flores),
tente dar sempre o primeiro passo, nunca negue uma ajuda ao seu alcance.
PERDOE E DÊ DE VOCÊ MESMO.
Seja uma BÊNÇÃO!
DEUS não vem em pessoa para abençoar...
ELE usa os que estão aqui, dispostos a cumprir essa missão.

Todos nós podemos ser ANJOS.
A ETERNIDADE está nas mãos de todos nós.
VIVA de maneira que quando você se for,
MUITO DE VOCÊ ainda fique, ... naqueles que tiveramA BOA VENTURA DE TE ENCONTRAR.

(Autor desconhecido)
Fonte da imagem: Internet

sábado, 22 de janeiro de 2011

A visita que me deixou feliz!


O feriado no meio da semana, deixou a sexta-feira com cara de sábado.
Nada como isso, o fato de a mesmice não imperar.
Feliz foi meu dia ontem, quando de surpresa, recebi para passar o dia entre nós, a sobrinha de minha amiga e minha irmã dileta, a mãe de todos.
A presença dessa minha irmã em minha casa por um longo período, da manhã ao fim da tarde, trouxe-me sabores de dias vividos quando ainda éramos solteiras na casa de minha mãe.
A menininha de três anos e meio, como ela própria especifica quando perguntada sobre sua idade, deixou o ar com excelente energia e seus porquês a tudo o que se dizia, encheu de risos o ambiente. Esperta por excelência, observadora como poucas crianças de sua idade e sobretudo inteligentíssima e madura, fez o dia especial.
Ao chegar, fiz questão de mostrar a ela a casa, como o faço quando os adultos me visitam pela primeira vez e, diferentemente de qualquer criança, tinha postura de um ser grande quando olhava e dizia "bonitinho".
Desde pequena está aprendendo, acho que com a tia, a ter sinceridade e mais uma vez aí, mostra sua grande diferença com as outras crianças.
Até meu marido que não é, hoje em dia, afeito a agrados às pessoas que eu gosto, quedou-se a graciosidade da menininha, o que não fugiu da observação de minha sobrinha que me perguntou porque o tio havia tratado tão bem à nova visita e não tanto a sua coleguinha na semana passada.
Apesar de meu pedido, sei que talvez as oportunidades não permitam visitas como essa, com constância. Mas seria muito bom se pudéssemos compartilhar semanalmente coisas assim, para recarregarmos nossas "baterias" de luz. Vou torcer para isso!
(Adir Vieira - 22/01/11)
Fonte da imagem:decoracaoartesanato.blog.terra.com.br

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

TOCANDO EM FRENTE(Almir Sater/ Renato Teixeira)


Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz, quem sabe
Eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei
Eu nada sei
Conhecer as manhas e as manhãs,
o sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar,
é preciso paz pra poder sorrir
É preciso chuva para florir
Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada eu sou
Estrada eu vou
Conhecer as manhas e as manhãs,
o sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar,
é preciso paz pra poder sorrir
É preciso chuva para florir
Todo mundo ama um dia, todo mundo chora
Um dia a gente chega, no outro vai embora
Cada um de nós compõe a sua história
E cada ser em si carrega o dom de ser capaz
De ser feliz
Conhecer as manhas e as manhãs,
o sabor das massas e das maçãs
É preciso amor pra poder pulsar,
é preciso paz pra poder sorrir
É preciso chuva para florir
Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais
Cada um de nós compõe a sua história
E cada ser em si carrega o dom de ser capaz
De ser feliz...
Fonte da imagem: Internet

quinta-feira, 20 de janeiro de 2011

A festa de quinze anos

Queria porque queria uma festa de quinze anos.As coleguinhas de turma da mesma idade que aniversariavam em datas próximas já haviam esquematizado suas grandes festas, guardando em sigilo os detalhes mais preciosos para que não fossem imitados umas pelas outras. Sabedoras de que seu aniversário estava próximo, não se cansavam de indagarem sobre o convite.Os convites das outras, que mais pareciam obras de arte , já estavam em seu poder e olhando-os, seus olhos brilhavam de excitação ao imaginar a arte gráfica do seu para o próximo mês.Seria todo branco e, rodeando sua foto gigante em perfil, teria seu nome repetido várias vezes, em letras em caixa alta manuscrito, de cor dourada em relevo.O convite anunciaria seu dia de princesa e o cartão individual para a festa ficaria preso a um cliplogo acima dos nomes de seus pais, no lado de dentro. Essa primeira parte já estava resolvida.Restava agora nomear os convidados, cerca de cinqüenta amigos, além da família pequena que, por certo, viria de São Paulo para a festa.Prosseguindo, desenharia o vestido branco de corpo comprido, bordado com pedras e vidrilhos brilhantes formando na frente um coração, deixando parte do seu pequeno busto à mostra. A saia, rodada em duas abas, lhe daria um ar de rainha e, com certeza, o farfalhar do tecido ao caminhar soaria como música em seus ouvidos.A festa teria que ser no clube especializado para tal e conceituado pelo grande número de contratos para esse fim. Não teria o que pensar. Seria nesse local.De perto, faria questão de escolher o buffet. Estando no verão, a mesa de frutas em cascata não poderia faltar e os fondants ornados com minúsculas flores de cor rosa dariam um requinte especial a sua festa. O bolo deixaria a cargo de sua mãe, especialista na questão.O baile e a dança com o pai à meia-noite teria a música de seus sonhos e para tal ensaiava toda noite em seu quarto, após o jantar.Queria porque queria uma festa de quinze anos. Não agüentava mais, estando a data tão próxima, ouvir o questionamento das colegas sobre o convite.Naquela noite, surpreendida em choro por sua mãe, não pôde explicar o porquê, pois sua mãe não entenderia.Queria porque queria sua festa de quinze anos, mas como tê-la, se nem ao menos um vestido apropriado para a festa das amigas sua mãe poderia comprar?
(Adir Vieira - maio/2010)
Fonte da imagem: festa15anos.info

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

UMA QUESTÃO DE PRIORIDADE

Uma senhora bem idosa estava no convés de um navio de cruzeiro
segurando seu chapéu firmemente com as duas mãos para não ser levado
pelo vento. Um cavalheiro se aproxima e diz:
- Me perdoe, senhora...não pretendo incomodar, mas a senhora já
notou que o vento está levantando bem alto o seu vestido?
- Já, sim, mas é que eu preciso de ambas as mãos para segurar o chapéu.
- Mas, senhora....a senhora deve saber que suas partes íntimas
estão sendo expostas! - disse o cavalheiro.
A senhora olhou para baixo, depois para cima, e respondeu:
- Cavalheiro, qualquer coisa que o Sr. esteja vendo aqui em baixo
tem 85 anos. O chapéu eu comprei ontem!

Fonte: Internet
Fonte da imagem:alvarohfernandes.blogspot.com

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

O telemarketing atual


São três horas da tarde e tento descansar do almoço, o que habitualmente não faço, a não ser em dias que me excedo nas atividades domésticas na parte da manhã.
Toca o telefone e ao atender, a pessoa do outro lado, chama pelo meu nome como se eu fosse do sexo masculino. Já não reparo nessa questão, visto que ao longo da vida, inúmeras foram as vezes em que, à distância, me confundiram assim.
Desfeito o engano e após as desculpas exacerbadas do meu interlocutor, percebo que o objetivo do telefonema era me oferecer uma linha de crédito, pois minha aposentadoria me permitia comprometer até trinta por cento da minha renda em empréstimos.
Começo a ficar impaciente, quando o atendente de telemarketing me pergunta se eu já tenho descontos em folha e ao contrário do que eu pensava, minha negativa, serviu para inflá-lo de sabedoria e conhecimentos para me convencer a ter o primeiro empréstimo.
A cada justificativa que eu dava para não fazê-lo, mais e mais, usava seu aprendizado incorreto para expor as benesses de dividir uma quantia considerável em várias prestações minúsculas, por um prazo longo, mas possível de ser contratado. Frisava ainda que assim, eu nem sentiria no meu salário a falta de tal importância. Obviamente, omitiu os juros abusivos e o fato de que eu pagaria a tal quantia ad-eternum e ainda correria o risco de morrer antes da última prestação.
Quanto mais eu o ouvia, mais ele sentia que estava me demovendo da rígida decisão de não aceitar a proposta, quando eu, com um grito de BASTA! O fiz calar.
Tentei ensinar-lhe regras para envolver o interlocutor – boa que era nisso nos meus tempos de vendedora - Expliquei-lhe que seu instrutor havia lhe ensinado ser vendedor e comprador e ele estava misturando os papéis, visto que pensava adivinhar o que eu tinha em mente, mas que seu instrutor não havia lhe ensinado o momento exato de parar de falar, enfim, de me ouvir.
Ficamos por causa meia hora discutindo o assunto – agora, não mais o empréstimo – mas a forma de oferecer-lho.
Ele, com desculpas, eu com indignação, até que me dei conta de que, da forma que o mundo está e especialmente os serviços, hoje era ele a me tomar meu precioso tempo e amanhã seria outro.
Fui eu então que humildemente lhe pedi desculpas, prontamente aceitas pelo rapaz que num último gesto desalentador fez questão de deixar seu nome e telefone para contatá-lo, quase eu mudasse de idéia. Pode?
(Adir Vieira - junho/2009)
Fonte da imagem: souddd.wordpress.com

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

O aniversário







Não sei que menu escolher
Decidir, listar e comprar
Parte pronta,
Parte a fazer,
Mas em tudo me programar...
Tenho que rápida ser
Pois a festa acontecerá
Em pouco menos de um mês
E não sei como começar...
Pensei fazer um almoço
Troquei por um lanche frugal,
Mas não quis dar pinta de pobre
E um churrasco ao ar livre não é mal.
Organizei quantos convidados,
Local, apetrechos, mesinhas,
Barris de chope, refrescos
E para acompanhar, ninharias...
Ninharias de empadinhas,
Ninharias de legumes,
Farofa com ameixas secas
E maionese com presunto.
Não esqueci das batatas
Que fritas das latas despencam
Sempre onde haja crianças
Ou qualquer tipo de gente.
Encomendei salsichas várias
De frango, peru e porco
Os galetos temperados
Levam alho, sal, pimenta e no espeto
Parecem estar tão prontos.
O pão com alho na brasa,
Refrigerantes de cola,
mas o bolo do parabéns
não pode faltar na base.
As bolas de cores diversas,
Por si só já fazem festa
E se um petiz as estoura,
O ruído se dispersa.
Já que por trinta ou mais decidi,
O local será o play
A mesa grande ornarei
De bandejas, copos e flores...
Vou colocar na entrada,
Na faixa de boas-vindas
-Feliz aniversário, amor,
quem deseja é sua rainha! –
Fonte da imagem: gnufabi.com

domingo, 16 de janeiro de 2011

Jantar de confraternização


Um grupo de amigos de 50 anos discutia para escolher o restaurante onde
iriam jantar. Finalmente decidiram-se pelo Restaurante Tropical porque as empregadas usavam mini-saias e blusas muito decotadas.
10 anos mais tarde, aos 60 anos, o grupo reuniu-se novamente e mais uma vez
discutiram para escolher o restaurante. Decidiram-se pelo Restaurante Tropical porque a comida era muito boa e havia uma excelente carta de vinhos.
10 anos mais tarde, aos 70 anos, o grupo reuniu-se novamente e mais uma vez
discutiram para escolher o restaurante. Decidiram-se pelo Restaurante Tropical porque lá havia uma rampa para cadeiras de rodas e até um pequeno elevador.
10 anos mais tarde, aos 80 anos, o grupo reuniu-se novamente e mais uma vez
discutiram para escolher o restaurante. Finalmente decidiram-se pelo Restaurante Tropical. Todos acharam que era uma grande idéia porque nunca tinham ido lá.
Fonte da imagem:sandrodalio.blogspot.com

sábado, 15 de janeiro de 2011

Espalhando alegria...


Hoje estou certa de que para proporcionar felicidade é preciso ser feliz.
E quanto bem faz a nós mesmos.
Ontem, vivi um momento assim. Momento de ver olhinhos brilhando, poderosos e realizados.
Já há algum tempo curtindo as férias em minha casa, minha sobrinha tinha um desejo latente de dividir um desses dias na piscina com sua amiga favorita.
Confesso que eu não deveria permitir, pois, meu marido ainda em recuperação, exige todos os meus cuidados. Mas, como resistir aquele pedido sincero, naquela voz que é só dela?
Apreensiva, por além de tudo ter outra criança sob a minha atenção, aquiesci e foi muito bom.
A vida até nessas situações ensina a quem é observador e quer aprender. Impressionante como as crianças arquitetam seus programas de diversão com muita sabedoria. Vendo o dia correr, parecia que ambas tinham planejado cada segundo, pois sem que eu me envolvesse, sabiam tudo o que tinham a fazer e aproveitavam cada segundo como ninguém.
Minha sobrinha sem que lhe ensinássemos e tão pequena ainda, parecia uma anfitriã escolada, querendo fazer com que a amiga se sentisse a única. Não convocou mais ninguém para as brincadeiras e realmente curtiu o dia.
Crianças que são, vez por outra tive que chamar a atenção para que, um pouco distantes de mim, ficassem sob minha vigilância. E foi assim que durante cerca de doze horas, dividiram aquela amizade que dá sinais de ser para sempre.
Enfim, no início da noite, quando os pais da amiguinha vieram buscá-la, insaciáveis como toda criança, trocaram os olhinhos felizes por olhinhos desapontados.
Eu, daqui, cumpri minha parte, vendo minha casa envolta por uma energia de prazer.
(Adir Vieira - 15/01/11)
Fonte da imagem:jogosdapolli.net

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Dia de aniversário!


Há uma semana apenas do meu aniversário e ainda não pude sequer programar nada.
É sempre assim, alguém viajando, alguém doente, alguém de mal com a vida, mesclando de cinza minha expectativa feliz, nesse, que é o dia mais importante para mim.
Dessa vez a preocupação com meu tio e padrinho que, de súbito, teve que sofrer uma cirurgia no cérebro,jogou por terra todo o meu empenho de comemoração.
Fui assim eternamente. Para que eu pudesse realmente comemorar, as pessoas ao meu redor deveriam estar com o mesmo estado de espírito que eu.
Recordo-me da grande apreensão que existia em mim, quando em tempos financeiros melhores, eu organizava verdadeiras festas, regadas ao som do piano eletrônico do "Pollilo". As festas iam até altas horas da madrugada, no salão de festas do prédio e a vizinhança amiga com alguns participantes não reclamava do som, haja vista o bom-gosto das apresentações daquele profissional. Lembro que após a festa contratada, meu coração se enchia de temor de que algo acontecesse inesperadamente e a festa não pudesse ser a dos meus sonhos.
Acho que serei sempre assim, menina ou bem idosa, como já quase sou, esse será exclusivamente o meu dia, o dia mais sublime da minha vida.
(Adir Vieira - 13/01/11)
Fonte da imagem: bloglog.globo.com

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

MORADORES DO RIO DE JANEIRO - UTILIZEM A DELEGACIA VIRTUAL



Conversando com um vizinho, soube que ladrões haviam entrado na casa dele e furtado o carro que estava estacionado no jardim.
Antes de ir à Delegacia de Polícia, o meu vizinho fez a denúncia e registrou Boletim de Ocorrência pela Internet. E, ao chegar na Delegacia, seu carro já tinha sido recuperado e os ladrões presos.
Este serviço está disponível no site http://www.delegaciavirtual.rj.gov.br/
Nos casos de ocorrências graves (morte, agressão física, assaltos grandes, etc.) é preciso comparecer à Delegacia depois da notificação virtual.
Para ocorrências pequenas (tipo furto de celular, etc.), basta fazer o comunicado pela Internet e não há necessidade de ir à Delegacia.
Acredito que vale a pena ter este endereço nos seus Favoritos.

Fonte da imagem:secommt.achanoticias.com.br

terça-feira, 11 de janeiro de 2011

O paraíso é relativo



Quando Ayrton Senna chegou ao céu, São Pedro foi logo perguntando:
- Como é seu nome, meu filho???
- Ayrton Senna da Silva...
- Ah!!! Você é aquele piloto da F1, não é???
- Sou eu mesmo.
- Aquele que tinha uma ilha em Angra dos Reis com heliporto, quadra de tênis, praia particular entre outras coisas, mais um jato executivo Learjet 60 de 12 lugares comprado por US$ 19.000.000,00, um helicóptero bi-turbo avaliado em US$ 5.000.000,00 uma lancha Off Shore de 58', uma fazenda em Tatuí e que ganhava US$ 1.200.000,00 por corrida?
- Sou eu mesmo.
- Andava de Audi, Honda NSX e tinha uma DUCATI com seu nome?
- Sim senhor!!!
- Morava em Mônaco, mas tinha apartamentos em NYC, Paris e viajava quando queria para o Brasil no seu próprio jatinho particular?
- Correto.
- Aquele que até hoje a família é acionista da Audi do Brasil?
- Eu mesmo!!!
- Aquele que comeu a Xuxa, e a Adriane Galisteu?
- Sim.
- Putz ... pode entrar, mas você vai achar o Paraíso uma merda!
Fonte da imagem:
betebrito.com

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Agora não, Skype !



Ligo o computador e imediatamente e automaticamente entra o Skype e o MSN.Às vezes isso é tão bom!
Mas hoje, especialmente hoje, não foi.
Vejam bem! Eu já estava atrasada para o Banco e ainda tinha que imprimir dois boletos de pagamento. Os sites procurados não facilitavam a entrada talvez por ser início de mês, o que retardava minha saída ainda mais.
E nesse pequeno tempo que me parecia uma eternidade, a campainha sonora do skype me chamando não dava trégua, desligando e ligando a cada três minutos.
Como se não bastasse esse chamado, minha amiga começou a escrever mensagens no MSN abrindo e fechando a tela do site do meu interesse naquele momento.
Eu já estava a beira de um ataque de nervos, quando deseducadamente, mudei meu status nos dois programas para offline, quando para meu castigo, caiu a conexão com a Internet, fazendo com que eu me dirigisse aos Bancos para realizar os pagamentos.
(Adir Vieira - 10/01/11)
Fonte da imagem:baixarelando.blogspot.com

domingo, 9 de janeiro de 2011

Domingo.....


Estamos em férias e assim, todos os dias são domingo.
Estranho esse poder da vida de transformar os ânimos a partir de um raio de sol. O acordar no verão é totalmente diverso. Parece que alguém vem nos despertar para a vida lá fora. Cedo as pessoas já estão na rua, aproveitando a pouca aragem fresca para cumprirem seus afazeres das compras. Senão, para seguirem rumo às praias, sem enfrentar os engarrafamentos.
Uma coisa é certa. Todos, quase sem exceção, compartilham essa alegria que o calor do verão nos proporciona.
Nessa época, todos ignoram a falta de segurança e os perigos reinantes na Cidade e enchem bares e restaurantes com suas peles bronzeadas pelo sol do dia inteiro.
Fase boa, tempo feliz, em que o calor enche nossos peitos de força e coragem.
(Adir Vieira - 09/01/11)
Fonte da imagem:vila-do-paul.blogspot.com

sábado, 8 de janeiro de 2011

O bolinho de batatas que me deixou embatatada!


Ontem me aventurei a fazer frituras. Confesso que não é hábito meu. Não sei porque acordei sonhando com um bolinho de batatas recheado com salsicha. Talvez se eu não tivesse em casa os ingredientes, até mudasse de idéia, mas a vontade era tanta que, logo após o café da manhã, coloquei mãos à obra nessa atividade.
Como de praxe, descasquei as batatas e as cozinhei até o ponto de purê. Fiz como sempre faço. Esperei a massa esfriar, para a ela juntar os ovos e a farinha de trigo. A qualidade da batata talvez não fosse propícia para aquela preparação, coisa que notei ao moldar os bolinhos, mas acreditei que envolvendo-os numa fina película de farinha de trigo, o óleo quente segurasse a massa, não causando o desastre não esperado.
Um minuto na frigideira e os bolinhos derretiam-se dentro do óleo, desagregando as salsichas que, boiavam isoladas para o meu desespero. Já tinha preparado uns seis bolinhos, junto aos quatro da frigideira, quando decidi desligar o fogo e jogá-los fora, literalmente.
Tencionei com a massa restante experimentar o forno. Novo trabalho. Untar tabuleiro, moldar novos bolinhos e besuntá-los com ovo no azeite. Programei o forno para vinte minutos e ao soar do timer, minha surpresa foi ainda maior. Como na frigideira, se formou no tabuleiro uma massa única, tal qual uma torta malfeita, com a sombra das salsichas por baixo.
Enfim, lá se foram umas duas horas da minha manhã e não consegui saciar meu desejo, tendo ainda perdido dois quilos de batata, dois ovos, farinha de trigo, gás,meio quilo de salsichas, meia lata de óleo, etc..., etc..., etc...
À noite, vendo o jornal da TV , tomei conhecimento de que devido as chuvas a qualidade das batatas estava inapropriada para consumo.
Antes tarde, do que nunca!
(Adir Vieira - 08/01/11)
Fonte da imagem:frangocombanana.com

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Ainda sorumbática!


Creio que essa virose é sinal dos tempos.
Tempos de desarranjos, de desencontros, de muitos "des" que andam por aí.
A gripe parece ter passado, embora com a voz ainda um pouco "fanha". No entanto, minha boca apresenta sinais de vermelhidão e muitos cortes invisíveis me fazem quase chorar ao tentar comer algum alimento.
O corpo parece ao acordar, ter sido pisoteado a noite toda. A aparência desmente qualquer desses sintomas e por mais que a gente explique os males, não acreditam de fato.
O pior é que as pessoas todas reclamam de já ter sentido essa "virose", um único nome para tantas formas diversas de uma doença.
Sinto-me como uma cobaia dos tempos, sem saber até quanto ela vai caminhar dia e noite comigo, me deixando assim tão desanimada e sem vontade de levantar da cama...
(Adir Vieira - 07/01/11)
Fonte da imagem:slimmgirl.blogspot.com

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Ressurgindo de mim....


Quero ressurgir de mim e encontrar aquele ânimo e aquela alegria fincados no âmago.
Quero olhar à volta e me surpreender com os arroubos de vivacidade, antes tão comuns.
Quero olhar no espelho e dar graças a Deus pela imagem que vejo.
Quero reencontrar minha gargalhada diante da piada mais boba e sem graça.
Quero me rodear de otimismo e crer que na balança do mundo os bons momentos pesam muito mais do que os maus.
Quero crer que minhas atitudes ainda vão determinar o que será de mim amanhã.
Quero me emocionar e deixar as lágrimas fluirem com o choro forçado da mocinha da novela.
Quero idealizar muitas e muitas vezes jantares a luz de velas, só pra nós dois.
Quero enfim, ressurgir de mim e me reencontrar como há vinte anos atrás, tendo a certeza de que o tempo e as dores não marcam.
(Adir Vieira - 05/01/11)
Fonte da imagem:artequel.blogspot.com

terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Falando de morte...


Há algum tempo não sei porque ou melhor, acho que sei porque, venho tentando dar um toque diferente a essa coisa de morte.
Palavrinha feia, que pela vida afora me arrepiou, hoje ela começa a ter um aspecto de normalidade.
Tenho me surpreendido pensando em familiares mortos, com a tranquilidade de vê-los ao meu lado, como se ainda estivessem aqui, coisa que há alguns anos não me arriscava a fazer.
Hoje, às vezes, me pego na alta madrugada às lembranças de familiares queridos, já no outro mundo.
Penso que a vida é perfeita. Fugimos da morte a vida toda, como se não fôssemos morrer. E é a própria vida que vai nos fazendo na velhice, caminhar ao encontro dela, com serenidade.
(Adir Vieira -dezembro/2010)
Fonte da imagem:jornale.com.br

segunda-feira, 3 de janeiro de 2011

Estado gripal


Desde o dia 1º eu curto uma gripe que me deixa com um calor infernal, espirrando feito bode e sem nenhuma vontade de fazer nada.
Sendo assim, meus projetos para o início do ano, tiveram que ser protelados até esse bendito mal estar passar por completo.
A causa, sem dúvida, foi a grande correria entre o fogão e a geladeira, tendo no meio um ventilador ligado na maior potência. O coitadinho do meu corpo com baixa defesa diante de tanto trabalho, usou a gripe para me fazer parar, pelo menos um dia.
É impressionante que não existam quaisquer medicamentos capazes de estancar esses males que nos jogam na cama, assim sem mais nem menos.
Estou fazendo o que meu corpo pede - descansando. Creio que amanhã recomeço minha olimpíada de dona de casa.
A todos um felicíssimo ano novo.
(Adir Vieira - 03/01/11)
Fonte da imagem: justpriscilla.blogspot.com

domingo, 2 de janeiro de 2011

Chegou 2011!


Chegou 2011 e este ano com o seu início marcado por um fim de semana, o que nos deixou o descanso e a despedida das festas, antes de reiniciarmos no trabalho.
Chegou 2011 ainda com o gostinho das lembranças de outros natais e de outros finais de ano.
Chegou 2011 e de quebra veio com ele o choro, a saudade, o reviver de dores que pensávamos já sepultadas em nosso coração.
Chegou 2011, mostrando que a fé é imprescindível em todos os momentos da vida e ainda mais a amarga certeza de que a vida segue seu rumo, independente do que possamos fazer para que ela seja mais doce.
(Adir Vieira - 2/01/11)
Fonte da imagem:chinelada.com