Quantos estão lendo agora...

Lendo e ouvindo...

terça-feira, 30 de março de 2010

Falta de sono...


Às quatro da manhã, perdi o sono. O mesmo sono que me perseguiu ontem por várias horas, depois do almoço. Pensei não haver motivo para tal, mas tentei buscar em vão, explicações para o fato, internamente, na minha consciência. Como disse, foi em vão, pois até quase sete da manhã, os pensamentos iam e vinham sem realmente me dizer o porque.
Chego à conclusão de que motivos não existem para nada, as coisas apenas acontecem...

Fonte da imagem:www2.uol.com.br

segunda-feira, 29 de março de 2010

Mais uma de Marta Medeiros


Essa é mais uma crônica que recebo e não posso deixar de dividir com vocês.

"Depois de um bom tempo dizendo que eu era a mulher da vida dele, um belo dia eu recebo um e-mail dizendo: 'olha, não dá mais'. Tá certo que a gente tava quase se matando e que o namoro já tinha acabado mesmo, mas não se termina nenhuma história de amor (e eu ainda o amava muito) com um e-mail, não é mesmo? Liguei pra tentar conversar e terminar tudo decentemente e ele respondeu: mas agora eu to comendo um lanche com amigos'. Enfim, fiquei pra morrer algumas semanas até que decidi que precisava ser uma mulher melhor para ele. Quem sabe eu ficando mais bonita, mais equilibrada ou mais inteligente, ele não volta pra mim?
Foi assim que me matriculei simultaneamente numa academia de ginástica, num centro budista e em um curso de cinema. Nos meses que se seguiram eu me tornei dos seres mais malhados, calmos, espiritualizados e cinéfilos do planeta. E sabe o que aconteceu? Nada, absolutamente nada, ele continuou não lembrando que eu existia.
Aí achei que isso não podia ficar assim, de jeito nenhum, eu precisava ser ainda melhor pra ele, sim, ele tinha que voltar pra mim de qualquer jeito!
Pra isso, larguei de vez a propaganda, que eu não suportava mais, e resolvi me empenhar na carreira de escritora, participei de vários livros, terminei meu próprio livro, ganhei novas colunas em revistas, quintupliquei o número de leitores do meu site e nada aconteceu. Mas eu sou taurina com ascendente em áries, lua em gêmeos, filha única! Eu não desisto fácil assim de um amor, e então resolvi tinha que ser uma super ultra mulher para ele, só assim ele voltaria pra mim.
Foi então que passei 35 dias na Europa, exclusivamente em minha companhia, conhecendo lugares geniais, controlando meu pânico em estar sozinha e longe de casa, me tornando mais culta e vivida. Voltei de viagem e tchân, tchân, tchân, tchân: nem sinal de vida.
Comecei um documentário com um grande amigo, aprendi a fazer strip, cortei meu cabelo 145 vezes, aumentei a terapia, li mais uns 30 livros, ajudei os pobres, rezei pra Santo Antonio umas 1.000 vezes, torrei no sol, fiz milhares de cursos de roteiro, astrologia e história, aprendi a nadar, me apaixonei por praia, comprei todas as roupas mais lindas de Paris. Como última cartada para ser a melhor mulher do planeta, eu resolvi ir morar sozinha. Aluguei um apartamento charmoso, decorei tudo brilhantemente,
chamei amigos para a inauguração, servi bom vinho e comidinhas feitas, claro, por mim, que também finalmente aprendi a cozinhar. Resultado disso tudo: silêncio absoluto.
O tempo passou, eu continuei acordando e indo dormir todos os dias querendo ser mais feliz para ele, mais bonita para ele, mais mulher para ele.
Até que algo sensacional aconteceu... Um belo dia eu acordei tão bonita, tão feliz, tão realizada, tão mulher,
que eu acabei me tornando mulher DEMAIS para ele. Ele quem mesmo??? "
"NASCEMOS E MORREMOS SÓS... POR ISSO A NOSSA VIDA ESTÁ EM NOSSAS MÃOS... É UMA BAITA SACANAGEM DEIXAR PRO OUTRO A RESPONSABILIDADE DE NOS
FAZER FELIZ, POIS SOMOS TOTALMENTE RESPONSÁVEIS PELA VIDA QUE OPTAMOS TER!"

"Nunca se deve engatinhar quando se tem o impulso de voar."

Fonte da imagem: dreina86.wordpress.com

domingo, 28 de março de 2010

Ai, meus ouvidos!


Hoje meus ouvidos estão sensíveis. E, logo hoje, terei que acionar o telemarketing do meu cartão de crédito para pagamento de contas.Valorizo e muito os sotaques e as maneiras de falar do povo brasileiro. Chego a desejar ter nascido em Minas Gerais para poder falar daquela maneira mansa, puxada nos "esses" com graciosidade.No entanto, acho que todo o serviço de telemarketing do país está centrado em São Paulo e nada me irrita mais do que ouvir aqueles "meeeeeeeennnnnnnnnnnnttttttttttoooooooo" todos e nunca vi arranjarem tantas palavras como momento, agradecimento, para povoar nossa conversa. Parece que o treinamento desses profissionais gira em torno daquela calma aparente que nos faz aguçar a cada sílaba mais e mais nossos ouvidos e fazê-los repetir cada palavra mais vezes. E ainda por cima incluem no discurso aqueles chavões "vou estar transferindo....., a senhora vai estar confirmando..., etc...Nada contra os paulistas, igualmente aprecio o sotaque daquela terra, mas o treinamento dos profissionais, pelo menos para mim é desaconselhável, em qualquer equipe de Recursos Humanos. Parece que para nos irritar ainda mais, a demora oriunda desse atendimento nos faz ficar mais de quinze minutos na espera, tentando adivinhar o que ocorreu na transferência da ligação da telefonista para o setor responsável. Por repetidas vezes, temos que desligar e ligar novamente e explicar tudo mais uma vez, até enfim, sermos atendidos por aquelas menininhas chatinhas, com aquela voz igualmente chata que nos faz informar até a cor da nossa peça íntima. Sei que vou levar pelo menos uns quinze minutos e vou gastar mais de três ligações para concretizar o que preciso - apenas pagar uma fatura -

E logo hoje, que meus ouvidos estão tão sensíveis...

Fonte da imagem: souddd.wordpress.com

sexta-feira, 26 de março de 2010

Tipos de Mulheres na era da Informática


Hoje , transcrevo aqui para vocês, outro e-mail que recebi, muito interessante, sobre os tipos de mulheres na era da informática, cujo autor é desconhecido.

Mulher “Internet”
Temos que pagar para ter acesso a ela.
Mulher “Servidor”
Está sempre ocupada quando precisamos dela.
Mulher “Windows”
Sabemos que tem muitas falhas, mas não podemos viver sem ela.
Mulher “PowerPoint”
Ideal para apresentar às pessoas, em festas e em convenções.
Mulher “Excel”
Dizem que faz muitas coisas, porém só a utilizamos para as operaçõesbásicas.
Mulher “Word”
Tem sempre uma surpresa reservada para nós e não existe ninguém no mundo que a compreenda totalmente.
Mulher “DOS”
Todos a tiveram algum dia, mas agora ninguém a quer.
Mulher “ScanDisk”
Sabemos que é boa e que sempre quer ajudar, mas no fundo não se entende bem o que ela faz.
Mulher “Backup”
Acreditamos que ela tem tudo mas, na hora do «vamos ver», falta sempre algo.
Mulher “Paintbrush”
Puro adorno e nenhuma substância.
Mulher “RAM”
Aquela que esquece tudo assim que se desconecta
Mulher “Hard-Disk”
Concorda com tudo, todo o tempo.
Mulher “Multimédia”
Faz com que tudo pareça mais bonito.
Mulher “Mouse”
Funciona apenas quando é arrastada.
Mulher “End-user”
Não faz nada como deve ser e está sempre a fazer perguntas.
Mulher E-Mail
De cada dez coisas que diz, nove são bobagens.
E a melhor...
Mulher “Vírus”
Quando menos se espera, instala-se no nosso apartamento e vai tomando conta de todo o nosso espaço.
Se tentamos desinstalá-la, perdemos muitas coisas, se não tentamos… perdemos tudo!

quinta-feira, 25 de março de 2010

As lojas de R$1,99


Ainda não descobri minha atração por camelôs e por lojas de artigos diversos, a preço baratíssimo.
Confesso que até já tentei, por várias vezes, prestar atenção nessa “tara”, descobrir a razão exata de tal preferência, mas sempre me perco em explicações óbvias que não me rotulem de brega ou maluca.
Hoje, tive a grata surpresa de encontrar, totalmente, por acaso, uma bem próxima de minha residência.
Acho que os céus clamaram por isso a meu favor, pois foi mesmo por acaso que a encontrei. Vejam que a rua por onde eu teria que passar estava fechada para obras da Prefeitura e eu tive que tomar outro acesso – esse bendito caminho que me levaria à loja de R$1,99.
Tão extasiada fiquei, que me detive na porta por uns cinco minutos. Não sei o que a recepcionista pensou ao meu olhar ali, apatetada, como se estivesse diante da Torre Eiffel.
Ela não entende que o grande “barato” é investigar como um colecionador,as miudezas e se surpreender com o preço baixo, agrupar na cesta muitas e muitas delas e ao chegar em casa, espalhá-las encima de uma mesa, somente para apreciar a diversidade de cores e as miniaturas.
Sei que grande parte desses produtos são descartáveis, mas a graça está nessa possibilidade. Se duram uma semana, o custo não foi alto e a reposição torna de novo, a casa nova.
Já na porta, como a convidar à entrada, grandes amarrados de fitas coloridas, em tecido imitando cetim, formavam arranjos delicados propiciados por seus diferentes tamanhos.
No lado oposto uma prateleira de porta-retratos de todas as larguras, exibiam fotos em preto e branco de crianças fazendo graça. O que me chamou a atenção foi a forma como estavam dispostos, parecendo uma história em quadrinhos, devido a seqüência de atitudes. A primeira criança com as mãos esticadas, jogava uma bola, no seguinte a outra com os braços levantados parecia buscar a bola no ar e assim seguiam as outras imagens.
Bolas, bolas e mais bolas enfeitavam um dos lados de uma parede e exibiam com maestria um arco tão chamativo que, o mais experiente decorador de festas infantis, talvez não soubesse compor.
E a cesta no meio da loja abrigando bonecas de todas as qualidades? Essa então, parecia mais uma cama grande, acolchoada, onde sem se misturar, as bonecas carecas e as cabeludas se harmonizavam, vestidas ou não, todas pareciam fazer parte da mesma família. Percebi que a forma do rosto era a mesma em todas.
Continuei deliciando minha alma com tanta coisa pequena e colorida. De repente, meus olhos descobriram lá no fundo de um dos cestos expositores, talvez colocado ali por alguém desistente da compra, um desses pequenos relógios de mesa. Sempre acho relógios, onde quer que eu vá.
Com uns dez centímetros de altura, na cor rosa com os ponteiros pretos, era mais chamativo do que um rubi. Tinha tudo que os relógios de mesa de tamanho normal têm.
Os pés torneados, virados para fora, campainhas redondas com aquele botãozinho na parte superior, visor com os ponteiros e números indicativos das horas e minutos perfeitamente desenhados, era uma verdadeira jóia.
Não pensei duas vezes – arrebatei-o do cesto com vigor, tomei-o como meu e dirigi-me ao caixa. Paguei por essa raridade apenas R$ 5,99.
Quando saí, a recepcionista ainda ali estava, na porta, a convidar os que saiam a um retorno.
Olhou-me mais uma vez e pude sentir que não entendia minha fisionomia feliz.
Não me importei. Abracei minha preciosidade e rumei para casa realizada.
Fonte da imagem: images.quebarato.com.br

quarta-feira, 24 de março de 2010

Feliz Aniversário !


Hoje é o aniversário de uma das minhas irmãs.
Aquela mais próxima de mim, na idade, pois o tempo que nos separa uma da outra é de apenas nove meses. Devido a essa proximidade, sempre convivemos juntas, no mesmo quarto de dormir, nas primeiras brincadeiras, na primeira escola e até mesmo no primeiro emprego fora de casa.
Tão unidas e tão diferentes. Eu descrente, ela espiritualizada.
Físicamente, nem se fala. Ela, franzina, olhos grandes e eu, grande e espaçosa, com os olhos sempre a sorrir.
Era ela que tentava na adolescência, me fazer abandonar meu jeito moleque e imitá-la na postura de mocinha elegante. Era ela que me repreendia quando quase a todo o momento, eu falava demais.
Sempre foi corajosa, não temente à vida, ao passo que eu, medrosa e cautelosa. Morosa ao tomar atitudes, quase sempre quando já não adiantava mais.
Sua postura física sempre disse o que ela era por dentro. Elegante, forte e decidida.
Caminha assim, diante da vida. De braços abertos a receber o que vier pela frente. Acostumada a batalhar pelas suas coisas, a encarar de frente os dissabores, a reagir e lutar.
Como a admiro. Como às vezes, sofro por ela... Como brigo com ela e por ela. Como às vezes, não concordando com suas atitudes, sinto vontade de nela bater, para ver se acorda e sofre menos.
Hoje, ela já é avó, mas mantém suas atitudes, sem pieguices, totalmente diferente de mim, que faço delas, minha bandeira.
Não é assim que demonstra seu amor.
Admiro-a e antes de tudo, amo-a.
Parabéns, minha irmã. Felicidades pelo dia de hoje !

Fonte da imagem: pastoralfamiliarapodi...

terça-feira, 23 de março de 2010

De novo a Gripe Suína !


Amanheci, assistindo o telejornal matinal na TV.
Meu marido, ainda na cama, sabe que não me incomoda e ao despertar liga a TV para, como de hábito, saber das novas notícias.
Já há mais de mês, as notícias são as mesmas e concluo que a Gripe Suína, bateu o recorde.
Nem as notícias sobre a crise financeira, povoou tantos informes.
O pior é que informações concretas não temos. O que nos deixam conhecer são os passos de "ensaio e erro" da área de saúde, na obtenção de conclusões sobre o que é a tal gripe e como se manifesta.
Não estou sendo radical e pude agora mesmo confirmar essa minha conclusão, pois com um toque no controle remoto, vejo em outro canal de TV afirmações diversas da que estava ouvindo.
Pergunto-me onde ficam as pessoas que não tem acesso a meios mais elaborados de consulta, para se protegerem.
Imagino que os mais sensíveis, com tanto alarde sobre o fato - e é claro que o povo tem que ficar alerta - carreiam para si mesmos todos os sintomas. Alguns evidenciam que estão em perigo e assumem esse perigo dentro do seio familiar. O que fazer para não se impressionar? o que fazer para identificar corretamente os sintomas de uma gripe normal, tantas vezes já vivida?
No meio dessas minhas indagações, me percebo toda dolorida, com dificuldade para respirar e iniciando uma tosse seca...
Será impressão ou ela, a suína, já se instalou em mim?
Espero que não!
Fonte da imagem: infull.org

segunda-feira, 22 de março de 2010

Onde estão meus amigos do MSN?


Hoje, depois da vigésima tentativa, sem sucesso, de bater um papo com amigos e familiares, pergunto: - o que está havendo com o "MSN"?
Noto, há vários dias , nos diferentes momentos em que abro o programa, a ausência de meus amigos.
A cada frustração, insisto e é aí que eu quase passo o dia buscando alguém na linha. Nada !
Todos off-line!
Onde estarão? Será que migraram para o skype e não me avisaram?
Preciso investigar, mas como? se não estou tendo a oportunidade de encontrá-los ?
Fonte da imagem: capscapslocklock...

domingo, 21 de março de 2010

Que coisa, meu Deus !


Somos irmãos.
Não somos dados a atos explícitos de carinho, mas somos como um feixe de qualquer coisa, unidos, perfeitamente unidos, em cada fio.
Desde sempre, não nos permitimos a felicidade completa, se todos, absolutamente todos, não estiverem felizes. Não nos permitimos apreciar com sofreguidão uma boa mesa, sem pensar em cada um, com seus gostos peculiares, desfrutando-a também. Não nos permitimos viagens, passeios,festas, mas até o fazemos, com aquela “peninha” de que os outros ali não estão. A felicidade repleta, única, verdadeira, só nossa, não lembro nunca de vivê-la sem mentalmente desejar a presença dos demais. Para não dizer que sempre foi assim, lembro-me de que somente por ocasião do casamento, momento que por força das circunstâncias é único por natureza, desfrutei a felicidade sem limites.
Não consigo entender porque essa união abençoada, às vezes, “maldita”, faz com que sejamos responsáveis uns pela total felicidade dos outros.
É um eterno desassossego esse viver sem expectativas, ou melhor, na expectativa de que se o problema de um dos oito terminar, logo, logo, virá o do outro, para merecer nossa atenção.
Cultos e estudados, não conseguimos até hoje, nos desvencilhar desse redemoinho que nos faz em determinados momentos, querer jogar tudo pro’ alto e entregar cada um à própria sorte. Se o “problema” é doença então, aí é que nos sentimos os mais miseráveis dos seres. Mesmo os mais inteligentes e espiritualizados revestem-se de uma “casca negra”, sem encontrar razão para ser feliz. Se o “problema” termina, nos regozijamos e estamos prontos para viver, viver, viver...
O que fazer para mudar esse quadro, sobretudo num momento que nos faz visualizar cada vez mais, situações comuns e preocupantes devido a idade, etc... e tal ?

Fonte da imagem: franci-ellen.blogspot.com

sexta-feira, 19 de março de 2010

Lá vem o estresse...


As águas de março estão sendo fiéis ao tempo de calmaria que se anuncia logo após o final das férias e ao início das aulas.
A chuva constante parece querer dizer a todos que é tempo de organização. Tempo de colocar coisas internas e externas nos seus devidos lugares. A chuva parece querer chamar a atenção para tudo aquilo que deixamos para trás, na ânsia de viver o verão e as férias, freneticamente, cientes de que logo, logo, teríamos mais um ano cheio de trabalho e comprometimentos.
À falta de horários pré-determinados, seguem-se rotinas pré-estabelecidas e afoitas, em todos os sentidos.
O senso comum, totalmente arrolado entre si, faz com que todos, sem exceção, sigam pensamentos iguais, totalmente desconexos.
Nas escolas, todos os professores demonstram a mesma ânsia, na forma com que estabelecem, sem se preocupar com os alunos, testes e provas, todos ao mesmo tempo, fazendo com que os pobres, não tenham mais tempo, para comer ou dormir com tranquilidade.
Nas empresas, reuniões cansativas com várias diretorias, igualmente solicitam relatórios e mais relatórios, sem que empregados possam sequer analisar suas funções diante do mercado.
E é assim que, apenas em um mês, o famigerado mês de março, esvai com todas as energias boas, advindas de férias especiais.
Por que tem que ser assim ?
Fonte da imagem:leonor_cordeiro.blog...

segunda-feira, 15 de março de 2010

Um papo entre adolescentes velhos


Ontem estava eu aguardando minha vez para ser atendida no Banco e calmamente, como se fosse possível, estava de olhos e ouvidos atentos a tudo o que se passava a minha volta.
O Banco em que tenho conta oferece aos correntistas aposentados cadeiras confortáveis, ar condicionado e cafezinho até as 11.00 horas da manhã.
Todo esse conforto faz com que aqueles que esperam, enquanto o fazem, relaxem e não reclamem da morosidade com que os caixas e clientes idosos interagem.
Não demorou muito para que sentados atrás de mim, uma mulher de uns sessenta e poucos anos, com os cabelos mal pintados de um louro chamativo e trajando roupas joviais demais para sua idade, iniciasse uma conversa com um outro senhor, mais recatado à primeira vista.
A princípio, a conversa dos dois - ela falando num tom mais alto do que ele - discorria sobre banalidades, como temperatura do dia, má condição dos meios de transporte e etc..
Não tardou para que a tal mulher começasse a contar a própria vida para o senhor desconhecido, mesclando cada frase com um tom sofrido de mulher abandonada pelo marido há vinte e sete anos e com um filho que já adulto, não trabalha e lhe dá todas as dores de cabeça financeiras, as quais não pode arcar com sua parca aposentadoria de um salário mínimo.
O senhor rebatia suas queixas, com frases aprendidas com sua mãe, que lhe ensinara que na vida as preocupações não valem de nada e que devíamos aproveitar a vida para tratar do corpo e da mente com exercícios ao ar livre. Gabava-se de a cada manhã percorrer mais de cinco quilômetros aos setenta e um anos.
Seu otimismo não colocava por terra o pessimismo de sua interlocutora.
Achando hilário tal papo, firmei meus sentidos naquela conversa.
O que mais me chamou a atenção foi o fato de que a mulher, como a se oferecer para o tal senhor, já não mais ouvia o que ele dizia, só fazia repetir frases com uma constância doida.
Dizia ela, sem esperar resposta:
- todo dia digo para o meu filho: qualquer hora vou arranjar um coroa sacudido para me bancar!
- mas o senhor não parece ter setenta e um anos, estou bege com sua afirmação!
- sua pele é tão lisinha...
- onde o Sr mora? mora em casa ou apartamento? é grande? sua aposentadoria dá para o Sr. viver?
- o Sr. é viúvo ou solteiro?
- sabe que eu gostei do Sr?
Vi ali, comportamentos adolescentes, tanto de um como de outro e, confesso, fiquei com medo.
Será que quanto mais nos aproximamos do fim, mais estamos retornando a nossa infância?
Fonte da imagem: filthymac.apostos.com

segunda-feira, 8 de março de 2010

Dia Internacional das Mulheres...



Recebi este essa mensagem e não poderia deixar de dividi-la com meus amigos blogueiros:

" O desrespeito à natureza tem afetado a sobrevivência de vários seres e entre os mais ameaçados está a fêmea da espécie humana.
Tenho apenas um exemplar em casa, que mantenho com muito zelo e dedicação,
mas que na verdade acredito que é ela quem me mantem...
Portanto por uma questão de auto-sobrevivência, lanço a campanha
" SALVEM AS MULHERES "!

Tomem aqui os meus parcos conhecimentos em fisiologia da feminilidade a fim de que preservemos os raros e preciosos momentos dos exemplares que
ainda restam...
habitat...
mulher não deve ser mantida em cativeiro, se for engaiolada, fugirá ou morrerá por dentro. Não há corrente que as prenda e as que se submetem à jaula, perdem o seu d.n.a.! Voce jamais terá a posse de uma mulher, o que vai prendê-la a voce é uma linha frágil que precisa ser reforçada diariamente
alimentação correta...
Ninguem vive de vento. Mulher vive de carinho. Dê-lhe em abundância. É coisa de homem, sim, e se ela não receber de voce, vai pegar de outro. Beijos matinais e um "eu te amo" no café da manhã as mantem viçosas e perfumadas durante todo o dia. Um abraço diário é é como a água para as samambaias. Não a deixe desidratar. Pelo menos uma vez por mês é necessário, senão obrigatório, servir um prato especial...
flores
também fazem parte do seu cardápio - mulher que não recebe flores, murcha rapidamente e adquire traços masculinos como rispidez e brutalidade. Respeite a natureza. Voce não suporta t.p.m.? Case-se com um homem...mulheres menstruam, choram por nada, gostam de falar do próprio dia, discutir a relação. Se quiser viver com uma mulher, prepare-se para isso. Não tolha a sua vaidade. É da mulher, hidratar as mechas, pintar as unhas, passar batom, gastar o dia inteiro no salão de beleza, colecionar brincos, comprar sapatos, ficar horas escolhendo roupas no shopping. Só não incentive muito estes últimos pontos, ou voce criará um monstro consumista. Cérebro feminino não é um mito... Por insegurança, a maioria dos homens prefere não acreditar na existência do cérebro feminino...por isso, procuram aquelas que fingem não possuí-lo e algumas realmente o aposentaram!
Então, aguente mais essa, mulher sem cérebro não é mulher, mas um mero objeto de decoração...se voce se cansou de colecionar bibelôs, tente se relacionar com uma mulher. Algumas vão lhe mostrar que tem mais massa cinzenta do que voce...não fuja dessas. Aprenda com elas e cresça. E não se preocupe, ao contrário do que ocorre com os homens, a inteligência não funciona como repelente para as mulheres. Não confunda as subespécies....mãe é a mulher que amamentou voce e o ajudou a se transformar em adulto. Amante é a mulher que o transforma diariamente em homem. Cada uma tem seu período de atuação e determinado grau de influência ao longo de sua vida...não faça sombra sobre ela...se voce quiser ser um grande homem, tenha sempre uma mulher do seu lado e nunca atrás. Assim, quando ela brilhar, voce vai pegar um bronzeado...porém, se ela estiver atras, voce vai levar um pé-na-bunda ( tem gente que já sentiu isso na pele)
aceite...
as mulheres também tem luz própria e não dependem de nós para brilhar. O homem sábio alimenta os potenciais da parceira e os utiliza para motivar os próprios. Ele sabe que, preservando e cultivando a mulher, ele estará salvando a si mesmo!
Fonte da imagem: Internet