Quantos estão lendo agora...

Lendo e ouvindo...

quinta-feira, 29 de julho de 2010

QUANDO A BOCA CALA.......... O CORPO FALA


Prestem atenção neste alerta colocado na porta de um espaço terapêutico.
"Muitas vezes :
O resfriado escorre quando o corpo não chora.
A dor de garganta entope quando não é possível comunicar as aflições.
O estômago arde quando as raivas não conseguem sair.
O diabetes invade quando a solidão dói.
O corpo engorda quando a insatisfação aperta.
A dor de cabeça deprime quando as dúvidas aumentam.
O coração desiste quando o sentido da vida parece terminar.
A alergia aparece quando o perfeccionismo fica intolerável.
As unhas quebram quando as defesas ficam ameaçadas.
O peito aperta quando o orgulho escraviza.
A pressão sobe quando o medo aprisiona.
As neuroses paralisam quando a “criança interna” tiraniza.
A febre esquenta quando as defesas detonam as fronteiras da imunidade.
E as tuas dores caladas ? como elas falam no teu corpo ?
Mas cuidado....escolha o que falar, com quem, onde, quando e como !!!
Crianças é que contam tudo , para todos, a qualquer hora, de qualquer forma.
Passar relatório é ingenuidade.
Escolha alguém que possa te ajudar a organizar as idéias, harmonizar as sensações e recuperar a alegria.
Todos precisam saudavelmente de um ouvinte interessado.
Mas tudo depende, principalmente , do nosso esforço pessoal para fazer acontecer as mudanças na nossa vida !!!"

Autor desconhecido

Fonte da imagem:bemparana.com.br
Recebi um e-mail com o texto abaixo e depois de rir muito, achei por bem dividi-lo com vocês, meus amigos blogueiros... (veio como corrente)
"Velório do Lula
Lula morreu, e Deus e o Diabo brigam porque nenhum dos dois quer ficar com ele. Sem acordo, pedem aos mediadores uma solução, que decidem por uma proposta que se alterne um mês no céu e outro no inferno.
No 1° mês, Lula fica no céu.Deus não sabe o que fazer, quase fica louco.O metalúrgico bagunça tudo. Atrapalha todos os elementos das orações e da liturgia. Dissolve o sistema de assessoria pessoal dos anjos, tenta formar uma coligação de maioria absoluta na base da compra de votos.
Suborna os arcanjos e os querubins.Transfere um km quadrado do céu para o inferno.Nomeia anjos provisórios aos milhares. Intervém nas comunicações aos Santos.Troca as placas das portas de São Pedro.Envia um projeto de lei aos apóstolos para reformar os Dez Mandamentos e anistiar Lúcifer.Funda o PTC, o "Partido dos Trabalhadores Celestiais", com estrela azul clarinho. O céu vira um caos.
As pessoas não o suportam mais e promovem piquetes e invasões. Deus não vê a hora de chegar o fim do mês para mandá-lo para o inferno.Quando Lula, finalmente, se vai, Deus respira aliviado. Mas lá pelo dia 20, começa a sofrer novamente, pensando que dentro de 10 dias terá que voltar a vê-lo.No primeiro dia do mês seguinte nada acontece e Lula não volta do Inferno.No 5° dia, ainda sem notícias, Deus estava feliz, mas logo começou a pensar que, tendo passado mais tempo no inferno, Lula poderia querer passar dois meses seguidos no Paraíso...Desesperado com a mera possibilidade, Deus decide ligar para o inferno para perguntar ao diabo o que estava acontecendo.Ring...ring...ring...!!!Atende um diabinho e Deus pergunta:"Por favor, posso falar com o Demônio?""Qual dos dois?", - responde o empregado - "O vermelho com chifres ou o filho da puta sem dedo?"
Fonte da imagem:waldomelazzo.nireblog.com

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Vale a pena ler "Pablo Neruda"



É proibido chorar sem aprender,
Levantar-se um dia sem saber o que fazer,
Ter medo de suas lembranças.
Não transformar sonhos em realidade.
É proibido não rir dos problemas,
Não lutar pelo que se quer,
É proibido não demonstrar amor
Fazer com que alguém pague por suas dúvidas e mau – humor.
É proibido deixar os amigos
Não tentar compreender o que viveram juntos
Chamá-los somente quando necessita deles.
É proibido não ser você mesmo diante das pessoas,
Fingir que elas não lhe importam, Ser gentil só para que se
lembrem de você,
Esquecer aqueles que gostam de você.
É proibido não fazer as coisas por si mesmo,
Não crer em Deus e fazer seu destino,
Ter medo da vida e de seus compromissos,
Não viver cada dia como se fosse um último suspiro.
É proibido sentir saudades de alguém sem se alegrar,
Esquecer seus olhos, seu sorriso, só porque
seus caminhos se desencontraram,
Esquecer seu passado e pagá-lo com seu presente.
É proibido não tentar compreender as pessoas,
Pensar que as vidas delas valem mais que a sua,
Não saber que cada um tem seu caminho e sua sorte.
É proibido não criar sua história,
Deixar de dar graças a Deus por sua vida,
Não ter um momento para quem necessita de você,
Não compreender que o que a vida lhe dá,
também lhe tira.
É proibido não buscar a felicidade,
Não viver sua vida com uma atitude positiva,
Não pensar que podemos ser melhores,
Não sentir que sem você este mundo não seria igual!
É proibido Não importa o passado,
Hoje é presente!
O futuro? É com Você!
Pense nisto!
Uma linda vida para Você!
O tempo não espera ninguém!
Fonte da imagem:flickr.com

terça-feira, 27 de julho de 2010

A vovó

Recebi essa mensagem, sem autoria e, por ser muito interessante, resolvi dividir com vocês, meus amigos e minhas amigas blogueiros.
"Uma tarde o netinho conversava com sua avó sobre os acontecimentos e, de repente, perguntou:
- Quantos anos você tem, Vó?
A Avó respondeu:

- Bem, deixe-me pensar um pouco...
Nasci antes da televisão, das vacinas contra a pólio, comidas congeladas, foto copiadora, lentes de contato e pílula anticoncepcional
Não existiam radares, cartões de crédito, raio laser nem patins on line.
Não se havia inventado ar condicionado, lavadora, secadoras, as roupas simplesmente secavam ao vento.
O homem nem havia chegado à lua,"gay" era uma palavra inglesa que significava uma pessoa contente, alegre e divertida,
não homossexual.
Das lésbicas, nunca havíamos ouvido falar... e rapazes não usavam piercings.
Nasci antes do computador, duplas carreiras universitárias e terapias de grupo.
Até completar 25 anos,chamava cada homem de “senhor” e cada mulher de “senhora” ou “senhorita”.
No meu tempo, virgindade não produzia câncer.
Ensinaram-nos a diferenciar o bem do mal, a ser responsáveis pelos nossos atos.
Acreditávamos que "comida rápida" era o que a gente comia quando estava com pressa.
Ter um bom relacionamento, era se dar bem com os parentes e amigos.
Tempo compartilhado, significava que a família compartilhava férias juntos.
Não se conhecia telefones sem fio e muito menos celulares.
Nunca havíamos ouvido falar em música estereofônica, rádios FM, Fitas cassetes, CDs, DVDs, máquinas de escrever elétricas, calculadoras,nem as mecânicas quanto mais as portáteis.
"Notebook" era um livreto de anotações.
Aos relógios se dava corda a cada dia.
Falando em máquinas, não existiam cafeteiras automáticas, micro-ondas nem rádio-relógios-despertadores.
Para não falar dos DVDs,ou das filmadoras de vídeo.
Não existia nada digital, nem relógios, nem indicadores com números luminosos dos marcadores de jogos, nem as máquinas.
As fotos não eram instantâneas e nem coloridas.
Havia somente em branco e preto e arevelação demorava mais de três dias.
As de cores não existiam e quandoapareceram, sua revelação era muito cara e demorada.
Não existia "Made in Japan", "Made in Korea", nem "Made in Taiwan", nem"Made in China".
Não se conhecia "Pizza Hut","McDonald's",
Nem café instantâneo.
Havia casas onde se comprava coisas por 5 e 10 centavos. Os sorvetes,as passagens de ônibus e os refrigerantes, tudo custava 10 centavos.
No meu tempo, "erva" era pra fazer chá e não pra fumar.
"Hardware" era uma ferramenta e "software" não existia.
Sou da última geração que acreditou que uma moça precisava de um marido para ter um filho.
Agora, me diga: quantos anos acha que tenho?
Hiii... Vó... mais de 200! -Falou o netinho.
- Quase, querido, tenho 50! "
Fonte da imagem: recantodasletras.uol...

segunda-feira, 26 de julho de 2010

Férias, férias...


Hoje, amanheci cansada demais. Cansada dos muitos compromissos desse tempo de férias.
Tempo de brincadeiras, quando as crianças em apenas quinze dias, querem viver tres meses.
Ao acompanhar uma criança nesse tempo, quando nada a sacia, vamos aos píncaros de nossas forças.
Hora de dormir não existe, aqueles jogos intermináveis, tipo "Monopoly" seguem noite a dentro e de véspera, já temos uma lista enorme de tarefas para o dia seguinte.
Tudo isso aliado à rotina normal, nos deixa assim, descabeladas...
Mas tudo vale muito a pena, para ver a carinha dos petizes, com os olhinhos a nos sorrir.
Digo e repito, desmaiaria sem forças, mas jamais diria um não para vê-los felizes.
Fonte da imagem:coresepaginas.wordpress.com

sábado, 24 de julho de 2010

Meu passeio à Ilha de Paquetá


Deixando a casa, preferi tomar um táxi por ser mais confortável e não precisar me preocupar com o estacionamento para o carro.Subi as escadas do viaduto da Praça XV com toda a elegância e descontração, observando as pessoas que, como eu, iriam fazer o trajeto.Comprei o ingresso para o Catamarães com facilidade, pois não sendo final de semana, mesmo em época de férias, tudo fica tranqüilo. Não esperei muito pela barca, deu tempo de ir ao banheiro e de tomar um refrigerante. Aprecio tudo nesses passeios pela Baía de Guanabara. Até a loja de souvenires ganha um aspecto diferente aos meus olhos.A barca, imensa, chega imponente e seu apito, avisando a chegada, é como música ritmada com minha expectativa. Entro e logo vou à proa – tenho mania de me fotografar na frente, ao vento, com os cabelos em desalinho. Já lá dentro, escolho o lugar para sentar-me e acomodo minha pequena bagagem no banco ao lado. Tenciono lá permanecer apenas por umas quatro horas, razão pela qual dispus-me a trazer apenas um leve casaco e lenços de papel especiais para suportar a coriza que a aproximação do mar me provoca. Observo os vendedores ambulantes que várias vezes ao dia fazem o mesmo trajeto. Do vendedor de sorvetes e biscoitos ao de bijuterias, todos percorrem automaticamente o início e o fim da barca, em busca de compradores que diminuam o peso de suas bagagens, revertendo-as em ganho para o seu sustento.Escolho um brinco colorido com uma pequena pena azul na ponta para combinar com a calça e túnica esvoaçantes e de cor azul piscina com que estou vestida. Não deixo de comprar, também, um pacote de biscoito Globo salgado que venho saboreando em silêncio, ao mesmo tempo em que desfruto a beleza da paisagem. Noto que meus companheiros de viagem são os tipos mais diferenciados.Na minha frente duas adolescentes papeiam agitadas e sem a preocupação de que outros as escutem, falam de suas experiências amorosas sem qualquer pudor. Uma senhora franzina, de cerca de setenta anos, sentada do lado direito das duas, mostra-se incomodada com a conversa e abre e fecha a revista que tenciona ler, com gestos ríspidos de quem não gosta do que escuta. Do outro lado, à minha esquerda, um grupo com quatro estrangeiros fotografa e filma toda a Baía, não contendo gritinhos de admiração com a beleza ao redor.Um senhor em cadeira de rodas amparado pela filha, pouco atrás de mim, pergunta insistente e repetidamente sobre o horário da consulta médica. Outra senhora, com dificuldade, vai remando ao balanço da embarcação e passa por nós em busca do banheiro. Lá na frente, um casal de namorados, alheio a tudo e a todos, não percebe a hora da descida e é preciso ser chamado pelo fiscal.Após o apito anunciando nossa chegada à Ilha, vamos todos em fila indiana, num percurso de cores e cadências, atingir o outro lado, onde o trenzinho local, as charretes, bicicletas e outros ambulantes encontram-se a nossa espera.Passo por todos e dirijo-me à Igreja de São Roque, bem na entrada da Ilha, imponente na sua simplicidade, parecendo receber a mim, exclusivamente, de braços abertos.Cumpro meu ritual de visita e calmamente, seguindo a paz do local, faço minhas orações.Aqui estou eu, novamente em Paquetá. Embora estejamos no verão, o dia não está muito quente. O Sol observa a paisagem de longe e fica indeciso de se mostrar. Sento num dos bancos de madeira maciça embaixo de um coqueiro milenar e fixo na mente a natureza plena. Compro uma garrafa de água mineral numa das carrocinhas de ambulantes que circunda a praça e volto ao banco para terminar de saborear meu biscoito Globo. Refestelo-me com o ar, com o barulho das ondas batendo no mar calmo.Decido alugar uma charrete para reviver meus passeios de infância, sem deixar de fora nenhum local.O condutor, sem querer saber se lá estive outras vezes, cumpre a rotina que lhe ensinaram e anuncia cada passagem, no ritmo da puxada dos burros. Passamos pelo Museu de Artes, pela Casa de José Bonifácio, pela Academia de Letras, pela Pedra da Moreninha e pela árvore O Baobá, originária da África, chamada Maria Gorda. Aí peço ao condutor da charrete que pare por uns segundos e abraço aquela árvore com dificuldade, pois de tronco tão largo, parece nos engolir no toque. Todo o percurso é coberto por flamboyant. O Parque Darke de Matos parece nos tirar desse mundo levando-nos a distâncias não imaginadas por entre árvores de todos os tipos. Uma delas parece conter, no tronco, uma casa, onde não posso deixar de entrar e admirar o outro lado do parque que termina no mar. Só essa experiência de descobertas já vale o passeio.Resolvo tomar o trenzinho para ir ao Mirante, no Morro da Cruz, e apreciar, serenamente, a vista parcial da Ilha. De repente, dou de cara com dois sagüis, típicos da região. Filmo sua fugida, como coisa preciosa nas minhas recordações. Já lá se vão quase duas horas e meu estômago anseia por alimento. Prefiro um sanduíche de dois andares ao almoço tradicional, pois assim posso, após um breve descanso, alugar uma bicicleta Monark de pneu balão e por, pelo menos duas horas, sentir o sabor dos meus passeios à tardinha na rua em que morava quando tinha quatorze anos.

Fonte da imagem:www.skyscrapercity.com

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Férias, bela interrupção...


Tempo de férias...
Mesmo curtas, pois a maioria das escolas só proporcionam quinze dias aos alunos, no meio do ano, elas são esperadas com aquela ansiedade que só as crianças têm...
Tudo muda no ambiente...
Ruidos de alegria e algazarras incompreensíveis misturadas nas vozes dos pequenos, nos movimentam no nosso dia pacato, tenhamos ou não crianças em casa.
Cedo, eles já nos despertam quando enchem o play-ground portando bolas, "papagaios" ou carregando suas bicicletas. Nenhum de seus movimentos fica só no movimento. Todos, obrigatoriamente, são acompanhados de perguntas que eles mesmos respondem, por não terem a paciência devida para esperar a resposta dos pais ou dos amiguinhos. Se observarmos com cuidado, todos, sem exceção, sabem que logo, logo, esse período bom termina , fazendo com que eles voltem para os livros e para a competição diária nas muitas atividades que têm que assumir para crescer.
Fonte da imagem:clube.atrativa.com.br

quinta-feira, 22 de julho de 2010

E o dia se vai...


Mais um dia e ela acorda saltitante!...
Esquematiza o dia...
quer enchê-lo das muitas peraltices
que tenciona fazer...
Mas antes, tem os compromissos...
Academia, dentista,
compras pequenas...
e lá se vai o dia, sem ela perceber...
Olha as horas que restam depois do banho
e outros planos faz
para varar a noite...
Agrupa tres ou quatro filmes de infantes...
Junta a eles princesas e castelos,
mas o sono bate e ela larga tudo pra' amanhã...
Fonte da imagem: herikaborboleta

quarta-feira, 21 de julho de 2010

Tragédia ou destino ?


Quando me dispus a criar esse blog, me prometi que jamais entrariam palavras que não soassem como folhas ao vento, para espalhar alegria e coisas afins.
No entanto, desde ontem quando ouvi no noticiário a morte do filho de Cissa Guimarães, não penso em outra coisa.
A brutaliddade da chegada da morte, num momento tão especial de divertimento, haja vista que o rapaz andava de skate, me apavorou.
Olha que nessa minha vida vivida, já atestei casos e mais casos de tragédia.
Fico pensando se estou assim por intuir que a mãe do rapaz, a atriz, exatamente agora, transbordava alegria com seu jeito de moleca ao anunciar todas as noites o prêmio do torpedão.
Não consigo ver explicação entre a imagem sorridente da apresentadora e a tragédia ocorrida nesse mesmo momento, com a perda irreparável do filho mais novo.
Lamentável a vida em alguns momentos...
Fonte da imagem: revistaquem.globo.com

segunda-feira, 19 de julho de 2010

A arte de receber


Admiro aqueles que tem na simplicidade a grande arte de receber amigos em casa.
Não falo aqui daqueles que apoiados na comemoração de um dia festivo, contratam equipes para engrandecer o encontro com os amigos.
Falo aqui daqueles que se disponibilizam mesmo, de corpo e alma.
Falo aqui daqueles que não se preocupam em estragar a decoração do ambiente e tiram móveis e sofás do lugar costumeiro, para abrir espaços para a dança frenética dos convidados, no vai-vém do resgate dos petiscos vários, que se dipõem em mesinhas estrategicamente colocadas nos cantos.
É nesse cenário, sejam quinze ou vinte pessoas, num espaço pequeno ou maior, que se desenrolam vidas no afã daqueles, novos no grupo, se fazerem conhecer.
Quanta história, num meio tão informal, podemos saborear se observarmos gestos e palavras, vindos à tona, pela simples alegria de conviver.
Reuniões assim, fazem bem à alma, dão anos de vida, em minutos.
Lamentavelmente, poucos, muito poucos, na atualidade, tem a sorte de encontrar grupos assim... Felizes...
Fonte da imagem: meusonhodecasa.blog.br

domingo, 18 de julho de 2010

Minha festa


Hoje, me vesti de festa,
Domingo sempre nos inspira,
Se do ar não tiramos as vestes,
como sentir e apreciar o dia...
Procurei o lugar para vivê-la,
pensei achá-la fora de mim,
mas ledo engano, não a vi.
Busquei então aqui dentro
e, me surpreendendo a escondi.
0lhei para o sol me sorrindo
e só então entendi,
são meus olhos que festejam
aquilo que eu quero pra'mim.
Fonte da imagem: girouniversal.wordpress.com

sábado, 17 de julho de 2010

Aí vem ela, de novo!


Hoje, meu dia começa festivo.
Conviver com criança é a luz no fim do túnel. Elas não nos deixam sucumbir, nem quando o cansaço é maior do que nossas forças podem suportá-lo.
Acredito firmemente que todo mundo devia trazer, a tiracolo, em qualquer época da vida, uma criança.
Elas nos mostram o real sentido da vida, elas nos movem pra' frente e nos fazem vibrar apenas com o seu sorriso.
Meu dia começa festivo porque nos próximos dias terei minha sobrinha que está em férias, aqui em casa, na nossa companhia.
É uma só, mas enche a casa. Consegue usar computador, TV, mp4 e lápis e papel, tudo ao mesmo tempo.
Durante esses dias, a CBN e os programas de notícias serão ouvidos somente pelo meu marido, egoisticamente, no rádio de pilha.
E eu, em qualquer canto da casa, para onde eu vá, estarei ouvindo Isa TKM ou Hanna Montana...
Fonte da imagem:dtvb.ibilce.unesp.br

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Presente, é presente !


Estou chegando do shopping, um dos maiores do Rio de Janeiro e o pior, de mãos completamente vazias....
Essa façanha de sair para as compras e voltar sem comprar, tão alheia aos meus princípios, se deu porque tencionava presentear uma amiga.
No retorno, analisava a questão, buscando a causa.
Como, num local onde posso encontrar todas as opções de presentes, sem muito me alongar nas escolhas, eu consegui não encontrar nada que me satisfizesse e, segundo minha percepção, também não agradasse à minha amiga?
Busquei e rebusquei motivos e me assustei ao perceber que a conhecia profundamente, para não me arriscar a presenteá-la com o que a mim, somente a mim, agradasse.
Foi assim que percorri estantes e mais estantes de livros, nas três livrarias do local, o que me proporcionou duas belas horas de entretenimento.
Nas lojas de artigos femininos substituia o manequim pela minha amiga e o resultado era como se estivesse visualizando outra pessoa.
Nas lojas de artigos para presente, miniaturas e pelúcias pareciam destoar do meu objetivo.
Lá, no íntimo,batia uma vontade atroz de me levar às lojas de guloseimas, como se eu só associasse os gostos de minha amiga aos pratos decorados com iguarias, sobre as quais ela costumava discorrer.
Acho que foi isso o que me levou a retornar de mãos vazias, certa de que a agradaria muito mais se eu mesma preparasse aquele bolo confeitado com lascas de chocolate branco.
Parece que estou vendo seu ar feliz de menina, desatando o grande laço de fitas e abrindo o celofane vermelho, para entre lágrimas de satisfação, dizer : - puxa! era exatamente o que eu queria !
Fonte da imagem:bolosefantasia.com

quinta-feira, 15 de julho de 2010

Será que o inverno chegou ?


Parece que o inverno chegou, quase após um mês de seu início, marcado para 21 de junho.
Enfim, as cinco malhas que me encantaram naquela vitrine,pela sua beleza e suas cores que constratavam nuances claras e fortes, vão poder ser usadas essa semana.
Elas que já há um mês estão inertes no armário, foram compradas com a certeza de que no máximo poderiam ser vestidas num passeio a Teresópolis.
Fico pensando que já há muitos anos, o inverno no Rio de Janeiro não ocorre como no passado. No mínimo casacos leves podem ser usados nessa estação, mas somente à noite.
Tenho saudades do tempo em que viver o inverno significava viver com elegância, pois o frio era tanto que a lã dos casacos ainda não era suficiente para nos deixar quentinhos. Aos casacos, juntávamos cachecóis e na cabeça os gorros coloridos tricotados por nossa avó, compunham o visual.
Hoje, no nosso inverno carioca, se nos arriscamos a vestir alguma peça de lã, logo, logo, ela ganha lugar nos nossos braços ou no banco do carro.
Fonte da imagem:acessoriosfemininos-tricot...

quarta-feira, 14 de julho de 2010

Ah! o amor, de novo !


Hoje, particularmente hoje, lendo essa frase de Clarice lispector -
"Quando se ama, não é preciso entender o que se passa lá fora, pois tudo passa a acontecer dentro de nós." -
vi toda a imensa verdade contida no amor.
Por amor, mudamos conceitos,
por amor, esquecemos o mundo,
por amor, desrespeitamos pais,
por amor, fazemos das exceções nossas regras.
Mas é preciso que seja o amor verdadeiro, contido de imensa paixão, do início ao fim.
Quando verdadeiramente amamos, o tempo não passa, as marcas de velhice não existem e a mesma inocente força de poder o que se quer, rodeia nossos dias, guiando nossos passos em busca dos mesmos sonhos da juventude.
Por mais que amadureçamos, por mais que sejamos condescendentes com as pessoas mais queridas que nos rodeiam, tudo acontece dentro de nós.
É nossa alma feliz que clama por um dia sorridente, por uma festa particular, alheia a vida lá fora.
Que bom que é assim, enquanto o amor existe !
Adir Vieira - 14/07/10
Fonte da imagem: ienh.com.br

terça-feira, 13 de julho de 2010

Dia mundial do Rock


Hoje, dia mundial do rock, tenho alegria em lembrar desse ritmo que preencheu meus momentos mais sublimes da juventude.
Vejo-me atropelando meus afazeres para poder, exatamente às 6.00 horas da tarde, sentar em frente à TV para assistir o programa do Carlos Imperial que, sugeria aos telespectadores que afastassem os móveis da sala para acompanhar a dança com os artistas.
Era assim que eu e minhas irmãs fazíamos e se passássemos pelas calçadas das ruas naquele horário, podíamos perceber que aquele modismo imperava em toda a Cidade.
Quanta energia liberávamos naquela hora de programa, quão felizes ficávamos, suadas e com o rosto vermelho e com que satisfação reorganizávamos a sala, cantarolando aquelas canções frenéticas.
Depois daquele momento, aí sim, podíamos encarar livros e livros até altas horas da noite, na preparação do dia seguinte de aulas.
Bom lembrar daquele tempo!
Adir Vieira - 13/07/2010
Fonte da imagem:emuitobom.wordpress.com

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Lá se foi a "COPA" e já vem o Bruno!


Estamos no início de mais uma semana.
Nas últimas semanas, todos vivemos em torno do campeonato mundial de futebol, fazendo com que nossa vida girasse ao redor desse evento, atropelando nossos compromissos de rotina e fazendo com que o maior número de trabalhadores, contabilizasse na sua folha de ponto horas e horas a pagar, de acordo com o estabelecido com cada patrão.
Vivemos freneticamente a alegria de voltar mais cedo para casa e até de não ir para o trabalho nos dias de jogos do Brasil.
Lamentavelmente, para nossa tristeza, o Brasil não logrou êxito e nós todos, como se já não soubessemos disso, exibimos nosso ar de desilusão pelo fato.
Nesse início de semana, a mídia que esqueceu o mundo, por conta do campeonato, volta a eleger apenas uma pauta para, igualmente, freneticamente, se dedicar - o caso Bruno -.
Enquanto isso, enquanto a mídia se debate em apresentar a melhor matéria sobre o caso, o maior furo de reportagem, o maior sei lá o quê, o Brasil e seus inúmeros problemas, seguem à margem, totalmente ignorado nas suas necessidades prementes.
É assim que gira o mundo, infelizmente!
Fonte da imagem: blogdomariomarinho...
12/07/10 - Adir Vieira

domingo, 11 de julho de 2010

Em tempo de espera...


Hoje, estou em tempo de espera...
Às vezes, nenhuma ação é mais benfeitora do que contemplar, apenas ...
Às vezes, nos vemos tão impotentes, tão inativos, que parece que o tempo conspira a nos forçar em direção apenas e tão somente à natureza...
Às vezes é mais elucidativo apreciar os botões das violetas nos vasos da varanda, do que provocar alguma ação, pois só isso bastará para entendermos que é tempo de espera...
Esperar para ver e sentir o dia que amanhece...
Não planejar fazê-lo mais bonito ou produtivo...
Apenas esperar para no final do ciclo tê-lo diante de nós e, com critério, sentir como realmente foi...
Como os botões de flores surgem nas plantas, sem qualquer aviso, devido ao tempo de espera, nós também temos nosso momento de germinação...
11/07/10 - Adir Vieira
Fonte da imagem: cristovaopereira...

sábado, 10 de julho de 2010

Para todos os mineiros...


Lembrando Fernando Sabino, passo para vocês, um dos seus textos:
"Ser mineiro
Ser mineiro é não dizer o que faz, nem o que vai fazer,
é fingir que não sabe aquilo que sabe,
é falar pouco e escutar muito,
é passar por bobo e ser inteligente, é vender queijos e possuir bancos.
Um bom mineiro não laça boi com imbira, não dá rasteira no vento,
não pisa no escuro, não anda no molhado, não estica conversa com estranhos,
só acredita na fumaça quando vê fogo, só arrisca quando tem certeza,
não troca um pássaro na mão por dois voando.
Ser mineiro é dizer "uai", é ser diferente, é ter marca registrada, é ter história.
Ser mineiro, é ter simplicidade e pureza, humildade e modéstia, coragem e bravura, fidalguia e elegância.
Ser mineiro é ver o nascer do sol e o brilhar da lua, é ouvir o cantar dos pássaros
e o mugir do gado.
É sentir o despertar do tempo e o amanhecer da vida.
Ser mineiro é ser religioso e conservador, é cultivar as letras e a arte, é ser poeta e literato, é gostar de política, é amar a liberdade, é viver nas montanhas, é ter vida interior, é ser gente !"

Fonte da imagem: minasgerais2.blogspot.com

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Reforma ortográfica

Esse texto é tão sutil que não resisti em dividir com vocês.

"2009 foi o ano da reforma ortográfica.
Em casos como *AUTOESTIMA*, o hífen caiu. A sua é que não pode cair.
Em algumas palavras, o acento desapareceu,como em *FEIURA*.
Aliás, poderia desaparecer a palavra toda.
O acento também caiu em *IDEIA*,só que dela a gente precisa.E muito.
O trema sumiu em todas as palavras, como em *inconsequência*, que também, poderia sumir do mapa. Assim, a gente ia viver com mais *TRANQUILIDADE*.
Mas nem tudo vai mudar.
Abraço continua igual.
E quanto mais apertado, melhor.
*Amizade *ainda é com "z", como vizinho, futebolzinho, barzinho.
Expressões como *"Eu te amo".** *continuam precisando de ponto.
Se for de exclamação, é *PAIXÃO*, que continua com x,como *abacaxi*, que, gostando ou não,a gente vai ter alguns para descascar.
*Solitário* ainda tem acento,como *Solidário*, que só muda uma letra,mas faz uma enorme diferença.
*CONSCIÊNCIA* ainda é com *SC*,como SANTA CATARINA, que precisa tocar a vida pra' frente.
E por falar em *VIDA*, bem, essa muda o tempo todo,e é por isso que emociona tanto. "
Autor desconhecido

Fonte da imagem:adoromensagens.com.br

quinta-feira, 8 de julho de 2010

Sempre o amor...



“Se um dia você tiver que escolher entre o mundo e o amor, lembre-se:

Se escolher o mundo ficará sem amor, mas se você escolher o amor, com ele conquistará o mundo”.
ALBERT EINSTEIN
Fonte da imagem: unifran.br

quarta-feira, 7 de julho de 2010

As 4 Leis da Espiritualidade (Ensinadas na Índia)



Repasso para vocês este grande ensinamento:

1ª Lei
“A pessoa que vem é a pessoa certa”.
Significa que ninguém está em nossa vida por acaso. Todas as pessoas ao nosso redor estão interagindo conosco. Há sempre algo que nos faz aprender e avançar em cada situação.
2ª Lei
“Aconteceu a única coisa que poderia ter acontecido”.
Nada, nada, absolutamente nada do que acontece em nossas vidas poderia ter sido de outra forma. Mesmo o menor detalhe. Não há nenhum “se eu tivesse feito tal coisa..., aconteceu que um outro...”. O que aconteceu foi tudo o que poderia ter acontecido, e foi para aprendermos alguma lição e seguirmos em frente. Todas e cada uma das situações que acontecem em nossas vidas são perfeitas.
3ª Lei
“Toda vez que você iniciar é o momento certo”.
Tudo começa na hora certa: nem antes, nem depois. Quando estamos prontos para iniciar algo novo em nossas vidas, é o momento em que as coisas acontecem.
4ª Lei
“Quando algo termina, acaba realmente”.
Simplesmente assim. Se algo acabou em nossas vidas foi para a nossa evolução, por isso, é melhor seguirmos em frente e nos enriquecermos com cada experiência.

Autor desconhecido

Fonte da imagem kepguru<>

terça-feira, 6 de julho de 2010

Aprendendo com a vida...


Recebi esse texto, de autor desconhecido, que divido com vocês.
"Aprendi....que ninguém é perfeito enquanto não se apaixona.
Aprendi....que a vida é dura mas eu sou mais que ela!!
Aprendi que...as oportunidades nunca se perdem. Aquelas que desperdiças... alguém as aproveita.
Aprendi que...quando te importas com rancores e amarguras, a felicidade vai para outra parte.
Aprendi que... devemos sempre dar palavras boas... porque amanhã nunca se sabe as que temos que ouvir.
Aprendi que...um sorriso é uma maneira econômica de melhorar teu aspecto.
Aprendi que... não posso escolher como me sinto... mas posso sempre fazer alguma coisa.
Aprendi que...quando o teu filho recém-nascido segura o teu dedo na sua mão têm-te preso para toda a vida.
Aprendi que...todos, todos querem viver no cimo da montanha... mas toda a felicidade está durante a subida.
Aprendi que... temos que gozar da viagem e não apenas pensar na chegada.
Aprendi que...o melhor é dar conselhos só em duas circunstâncias... quando são pedidos e quando deles depende a vida.
Aprendi que...quanto menos tempo se desperdiça... mais coisas posso fazer.

Fonte da imagem: quiabadadecoruja...

segunda-feira, 5 de julho de 2010

A massacrante felicidade dos outros (Martha Medeiros)



Ao amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma..
Estamos todos no mesmo barco.
Há no ar um certo queixume sem razões muito claras.
Converso com mulheres que estão entre os 40 e 50 anos, todas com profissão, marido, filhos, saúde, e ainda assim elas trazem dentro delas um não-sei-o-quê perturbador, algo que as incomoda, mesmo estando tudo bem.
De onde vem isso?
Anos atrás, a cantora Marina Lima compôs com o seu irmão, o poeta Antonio Cícero, uma música que dizia:
"Eu espero/ acontecimentos/ só que quando anoitece/ é festa no outro apartamento".
Passei minha adolescência com esta sensação: a de que algo muito animado estava acontecendo em algum lugar para o qual eu não tinha convite.
É uma das características da juventude: considerar-se deslocado e impedido de ser feliz como os outros são - ou aparentam ser.
Só que chega uma hora em que é preciso deixar de ficar tão ligada na grama do vizinho.
As festas em outros apartamentos são fruto da nossa imaginação, que é infectada por falsos holofotes, falsos sorrisos e falsas notícias.
Os notáveis alardeiam muito suas vitórias, mas falam pouco das suas angústias, revelam pouco suas aflições, não dão bandeira das suas fraquezas, então fica parecendo que todos estão comemorando grandes paixões e fortunas, quando na verdade a festa lá fora não está tão animada assim.
Ao amadurecer, descobrimos que a grama do vizinho não é mais verde coisíssima nenhuma.
Estamos todos no mesmo barco, com motivos pra dançar pela sala e também motivos pra se refugiar no escuro, alternadamente.
Só que os motivos pra se refugiar no escuro raramente são divulgados.
Pra consumo externo, todos são belos, sexy’s, lúcidos, íntegros, ricos, sedutores.
"Nunca conheci quem tivesse levado porrada; todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo".
Fernando Pessoa também já se sentiu abafado pela perfeição alheia, e olha que na época em que ele escreveu estes versos não havia esta overdose de revistas que há hoje, vendendo um mundo de faz-de-conta..
Nesta era de exaltação de celebridades - reais e inventadas - fica difícil mesmo achar que a vida da gente tem graça.
Mas tem.
Paz interior, amigos leais, nossas músicas, livros, fantasias, desilusões e recomeços, tudo isso vale ser incluído na nossa biografia.
Ou será que é tão divertido passar dois dias na Ilha de Caras fotografando junto a todos os produtos dos patrocinadores?
Compensa passar a vida comendo alface para ter o corpo que a profissão de modelo exige?
Será tão gratificante ter um paparazzo na sua cola cada vez que você sai de casa?
Estarão mesmo todos realizando um milhão de coisas interessantes enquanto só você está sentada no sofá pintando as unhas do pé?...
Favor não confundir uma vida sensacional com uma vida sensacionalista.
As melhores festas acontecem dentro do nosso próprio apartamento.

Fonte da imagem:dojeitoqueeusou.blogspot.com

domingo, 4 de julho de 2010

Como é bom !


Pense sobre cada frase antes de ler a próxima. Você vai se sentir melhor, especialmente quando chegar ao fim.
COMO É BOM:
Se apaixonar pela pessoa certa e ser correspondido.
Rir a ponto de não agüentar mais.
Um banho quente num dia de muito frio.
Sem limites em um supermercado.
Aquela encarada de fazer tremer.
Receber e-mail de alguém de quem você gosta e que não manda nunca.
Dirigir por um lindo caminho.
Escutar sua música favorita tocada no rádio.
Tomar aquele banho e dormir na sua própria cama depois de acampar durante 4 dias.
Toalhas ainda quentes, recém passadas.
Uma ligação de alguém que está distante.
Um banho de espuma.
Uma boa conversa.
A Praia.
Achar uma nota de 100 reais no casaco do inverno passado.
Rir de você mesmo(a).
Ligações depois da meia-noite que duram horas.
Ter alguém pra dizer o quanto você é linda(o).
Rir de algo que acabou de lembrar.
Amigos.
Acidentalmente ouvir alguém falando bem de você.
Acordar e descobrir que ainda pode dormir por mais algumas horas.
O primeiro beijo.
Fazer novos amigos ou gastar tempo com os velhos.
Brincar com o seu bichinho de estimação.
Ter alguém mexendo no seu cabelo.
Sonhar com coisas boas.
Realizar um sonho antigo.
Chocolate quente, numa noite fria.
Viajar com quem você gosta.
Ir a um ótimo show.
Encarar um(a) lindo(a) desconhecido(a) .
Ganhar um jogo super disputado.
Fazer bolo de chocolate e depois lamber a calda que ficou na panela.
Ganhar dos amigos, biscoitos feitos em casa.
Segurar na mão de alguém que você realmente gosta.

Encontrar um velho amigo e perceber que algumas coisas (boas ou ruins) nunca mudam.
Ver a expressão no rosto de alguém quando abre o seu tão esperado presente.
Olhar o nascer do sol.
Ver o por do sol no verão.
Conseguir enxergar essas pequenas coisas boas da vida e saber dar muito valor a isso.
Ter sorte.
Acordar toda manhã e agradecer a Deus por mais um lindo dia, mesmo que esteja chovendo.

Autor desconhecido
Fonte da imagem: teclasap.com.br

sábado, 3 de julho de 2010

Lembrando Vinicius


No próximo dia 09, ocorrerá o aniversário de 30 anos de morte de Vinicius de Moraes que, como dizia dele Carlos Drumond de Andrade, foi o único poeta brasileiro que viveu sob o signo da paixão.
Transcrevo abaixo, um dos seus lindos poemas:
"São demais os perigos desta vida
Pra quem tem paixão principalmente
Quando uma lua chega de repente
E se deixa no céu, como esquecida
E se ao luar que atua desvairado
Vem se unir uma música qualquer
Aí então é preciso ter cuidado
Porque deve andar perto uma mulher..."