Quantos estão lendo agora...

Lendo e ouvindo...

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Falando de minha irmã que aniversaria...


Somos em oito. A diferença de idade entre nós cumpre espaços quase pré-determinados, pois vejam: do primeiro para a segunda um ano, da segunda para o terceiro, um ano, do terceiro para a quarta, seis anos, da quarta para a quinta, um ano, da quinta para a sexta, três anos, da sexta para a sétima, cinco anos e da sétima para a oitava, quatro anos.
Ela é a sexta das irmãs. Não ficou no meio, mas veio como um marco. Uma divisória a abrir os caminhos futuros.
Todas as inovações da vida, numa família de classe média foram a nós apresentados por ela. Foi a que primeiro ingressou numa faculdade, foi a primeira a se graduar com méritos, no ensino superior. Foi a primeira das mulheres a ter carro, a desbravar o mundo com sua coragem. Foi aquela que ousou comprar seu primeiro apartamento e morar sozinha nos deixando assustados e também aquela que foi pra bem longe, cumprir uma bolsa de estudos no exterior por um ano. Ao mesmo tempo que nos enchia de orgulho, insuflava-nos do grande respeito que deveríamos ter por ela, tão corajosa, tão ciente do que queria da vida, tão desejosa de buscar seus belos caminhos pela sua grande força de vontade. Hoje, seu aniversário, me vem à lembrança, aquela menina franzina, lourinha e decidida. Vejo-a na calçada de casa, parando o Seu Abílio dos doces, para com suas poucas moedinhas, comprar apenas duas bananadas e dividi-la irmamente entre nós todos e mais o pedreiro de uma das inúmeras obras que se faziam lá em casa. Não permitiu que nós, que queríamos um pedaço maior, tentássemos convencê-la de não dividir entre tantos. Fazia da forma como decidia. Ali, já mostrou seu grande senso de justiça e bondade. É assim até hoje. Sensível pra dentro de si mesma. Não se permite grandes efusões em público, mesmo que sejam positivas. Só seu travesseiro as conhece. Felizmente, diferente de todos os outros irmãos que, quase como italianos que não somos, resolvemos ou complicamos tudo com gestos e berros. Veio para nos mostrar o equilíbrio, a maneira certa de se comprometer ou ajudar.
Hoje, mais madura, sei que pode olhar para trás e visualizar com alegria, tudo o que, absolutamente com mãos próprias, construiu para si mesma, material e espiritualmente. Por isso e por muitas outras coisas, merece o nosso parabéns no dia de hoje, seu aniversário. Não somos dados a gestos de amor explícitos, entre irmãos, mas todos, com certeza, assinam embaixo do que eu digo e a amam com profunda paixão.
Fonte da imagem:cantinhodamiimiih...

Nenhum comentário:

Postar um comentário