Quantos estão lendo agora...

Lendo e ouvindo...

terça-feira, 1 de junho de 2010

Duas gordas na cabine


Era uma loja também de roupas íntimas.Ela e a prima precisavam renovar o guarda-roupa nessa área. As calcinhas naquele verão estavam maiores e as tangas na gaveta pediam substituição, além do fato de que não cabiam mais. Os soutiens de tecidos coloridos davam lugar àqueles de cor única de tecido elástico, dos quais tinham mais de dez cada uma.Os cartazes, aqui e ali na loja, indicavam que aquele tipo de peça não podia ser experimentado. Após a escolha, o jeito era identificar o tamanho e mandar embalar.Mas... como ela e a prima, depois de um período de férias em extravagância alimentar, podiam acertar seus números, sem provar suas escolhas? Todos os modelos pareciam estar de acordo, mas não restava outra saída a não ser conversar com a vendedora e obter sua permissão.Espera aqui, vai ali e, por fim, com o consentimento do gerente, foram-lhes mostrada as cabines que deveriam usar. Decidiram-se por uma única cabine. Afinal, uma queria a opinião da outra e vice-versa. A cabine era estreita, sem ventilação e sem cabides e a cada movimento a cortina vedatória abria-se sem anunciar. Tinham estimado erradamente o seu tamanho. Já nessa altura, as duas gordas, como que cimentadas naquele metro quadrado, não podiam sequer tirar as peças com que estavam vestidas, sem esbarrarem-se e taparem completamente o espelho, única coisa grande no local.Ensaiaram fazê-lo cada uma por vez e num esforço atroz tiravam calça, blusa, calcinha, soutien até que nuas tentavam, num malabarismo, colocar as novas. Nesse vai-e-vem, as bundas, os braços e as coxas das duas se encaixavam prometendo nunca mais se separarem. Por fim, escolheram duas peças cada uma. Já fora da cabine enfrentaram os olhos da vendedora que, disfarçando a voz, perguntou, como de costume:- Alguma peça serviu?
Fonte da imagem: t-s-i.blogspot.com

5 comentários:

  1. Fiquei aqui ao lado da cabine das gordinhas, com aquele humor cruel... rindo muito...rs
    bj

    ResponderExcluir
  2. Diza, você conta a história de um jeito que a gente está ali.E morrendo de rir.Muito bom.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Confesso que ainda me impressiono com as formas de preconceito arraigado palavras soltas nos blogs [...]

    ResponderExcluir
  4. Como sempre divertida e irreverente .Adorei. Estou de volta a terrinha. saudades

    ResponderExcluir