Quantos estão lendo agora...

Lendo e ouvindo...

sábado, 28 de agosto de 2010

Edith Piaf e sua história


Nasceu com o nome de Edith Giovanna Gassion, filha de uma cantora ambulante e de um acrobata de circo que a abandonou antes de ela nascer. A sua mãe, a ponto de dar à luz, não conseguiu chegar à maternidade e Edith nasceu em plena rua, debaixo de um candeeiro, frente ao número 72 da Rue de Belleville, em Paris, a 19 de Dezembro de 1915.
A mulher era demasiado pobre para a criar e entregou-a ao cuidado da sua avó materna, que em vez de biberão a alimentava com vinho, com a desculpa de que assim se eliminavam os micróbios. Depois, entrega-a ao seu pai, que está a ponto de partir para a Frente, na Primeira Guerra Mundial, o que o leva a deixar a menina com a sua avó paterna (dona de uma casa de prostituição em Bernay, Normandia), sendo Edith criada pelas prostitutas da casa. Quando tinha apenas quatro anos, uma meningite deixou-a cega, mas pouco depois recuperou a vista graças, segundo explicou a sua avó, à devota peregrinação à Igreja de Santa Teresinha do Menino Jesus, em Lisieux, que a mulher fez com a sua neta.
Se os primeiros anos da vida de Edith foram difíceis, os da sua adolescência foram piores. Quando apenas tinha dez anos, o seu pai adoeceu gravemente e a pequena começou a cantar pelas ruas, recolhendo as moedas que os transeuntes lhe atiravam. Naquelas primeiras atuações, Edith só cantava a Marselhesa, o hino nacional francês, porque essa era a única canção que conhecia.
Ao finalizar a Primeira Guerra Mundial, o seu pai volta da Frente e leva-a consigo a viver a vida dos artistas dos pequenos circos itinerantes, portanto a de artista ambulante, independente e miserável. Edith revela o seu talento e a sua excepcional voz nas canções populares que canta nas ruas com o seu pai, tal como a sua mãe havia feito.
Em 1933, aos 17 anos, tem uma filha com o seu amante Louis Dupont, chamada Marcelle, que morre de meningite aos dois anos de idade, em 1935.
A sua autobiografia intitula-se Au bal de la chance
Bem, mas falamos de Lições de Amor e assim, pois, entremos na sua vida sentimental.
Edith, apesar de não ser precisamente uma mulher bonita e de ter apenas 1,53 m de estatura, era uma dessas femmes fatales que emanam um encanto especial, o que fazia com que os homens caíssem rendidos a seus pés.Pela sua vida passaram, desde os seus inícios, pequenos rufias, artistas de rua e, depois, até homens famosos como Marlon Brando, Yves Montand, Charles Aznavour, ou Georges Moustaki. Fazia por deslumbrar, conquistava-os e abandonava-os. Também sucumbiram aos seus encantos o famoso campeão de boxe Marcel Cerdan e actores como John Garfield. Charles Aznavour... Yves Montand… Marcel CerdanGeorges Moustaki...
Orson Welles.
Inclusive a famosíssima Marlene Dietrich, que lhe ofereceu um diamante de um quarto de carat por uma apaixonada noite de amor.
Edith seguia vivendo “La vie en rose”, apesar de um terrível acidente automobilístico, no qual sofreu várias fracturas. Os médicos prescreveram-lhe morfina, de que rapidamente se tornou dependente.
“Durante quatro anos vivi quase como um animal ou uma louca: nada existia para mim além do momento em que me era aplicada a minha injecção e sentia por fim o efeito da droga.”
Piaf injectava-se, através da roupa e das meias, momentos antes de subir ao palco. A única vez que actuou sem morfina foi um desastre, e saiu apupada pelo seu público. Também começou a beber sem controlo e os seus amigos tentaram que deixasse esse hábito, chegando inclusive a esconder-lhe as garrafas de álcool, mas nem isso resultou. De qualquer forma, o seu público adorava-a, pois ela era o ícone da França do pós-guerra, uma diva consagrada.
Sem dúvida, esta vida desenfreada que não a preenchia nem a fazia feliz, era a única que tinha e desfrutava-a, assumia-a como parte da sua essência; por isso é que, de cada vez que cantava a viva voz a famosa canção - que a identificava perfeitamente - "Non, Je Ne Regrette Rien" (Não, não me arrependo de nada), se lhe enchiam os olhos de lágrimas.
Chegou aos seus 46 anos intensamente vividos e, sem saber como, encontrou de repente o grande amor da sua vida. Envolveu-se numa relação que surpreendeu o mundo. Enamorou-se loucamente por Théo Sarapo, um jovem grego 20 anos mais novo do que ela.
Edith assegurava que este era o definitivo e maior amor da sua vida. Casou com ele e toda a gente pensou que se tratava de um “gigolô” que queria aproveitar-se da sua fortuna. Para todas as pessoas foi difícil acreditar no amor de uma mulher adulta e famosa por um jovem Adónis grego, mas Edith gritou aos quatro ventos que Théo era o único homem que tinha amado.Um ano depois de casar com o jovem grego, em 1963, Edith Piaf morreu na sua casa do Boulevard Lannes, com a idade de 47 anos, vítima de uma cirrose avançada e com as suas funções deterioradas devido à morfina. O grande amor da sua vida durou-lhe apenas um ano.
Théo Sarapo foi o único herdeiro de Edith Piaf. Os direitos discográficos, de autor e cinematográficos foram parar à sua conta bancária. Isso confirmava as suspeitas de toda a gente. A imagem de “gigolô”, inescrupuloso e oportunista, estendeu-se por todo o mundo, enquanto que o silêncio do grego confirmava todas essas suspeitas. Contudo, sete anos depois, Théo Sarapo voltou a ser notícia de primeira página nos periódicos. Tinha-se suicidado. Sobreviveu até esgotar a “fabulosa” herança recebida de sua mulher, quer dizer, uma lista interminável de dívidas.
A enfermidade e a dependência de Edith Piaf tinham-na deixado na bancarrota e com dívidas até ao pescoço. Théo Sarapo, em silêncio, foi-as pagando como pode, uma atrás de outra, até deixar totalmente limpo o sagrado nome da sua amada. Quando acabou de pagar o último centavo, terminou com a sua existência. Para que a queria, se não podia compartilhá-la com o único amor da sua vida?
Na sua mesa de cabeceira encontraram um bilhete que dizia: "Pour toi, Edith, mon amour". Théo Sarapo ensinou ao mundo e aos seus detractores outra maravilhosa Lição de Amor. Durante os sete anos que demorou a pagar as dívidas da sua amada Edith, jamais se o viu com outra mulher. Foi enterrado junto dela. No fim estariam juntos outra vez, para cantar a duo desde o além.

Por tudo isto hoje quis contar-vos esta história. Porque a gente sempre julga com facilidade, porque os preconceitos e a suspeita encobrem muitas vezes o verdadeiro amor e as boas intenções. Também porque Edith nos demonstrou que não se necessita de toda uma vida para amar e ser feliz, porque nos ensinou que um ano é suficiente para passar “o resto da tua vida" com essa pessoa especial. Por isso, também lhe chamo Lições de Amor.
Texto colhido na Internet
Fonte da imagem: airablog.com

3 comentários:

  1. Marcos Maurício Autran25 de fevereiro de 2012 13:11

    Edith Piaf esteve no Brasil? Tudo o que se encontra sobre ela vem de fontes americanas e , às vezes francesas. Nunca se fala sobre esta vinda dela por aqui em tourneé. Se de fato, ela veio para cá, existe uma estória bonita e inédita no Brasil!

    ResponderExcluir
  2. Veio sim, em maio de 1957 para apresentar-se no Teatro Cultura Artística em São Paulo.

    ResponderExcluir
  3. Eu vi Edith Piaf no Rio de Janeiro, no Teatro Copacabana. Não sei em que ano foi, é possível até que tenha sido em 1957.

    ResponderExcluir